blog filosófico, cultural e político
Domingo, 16 de Março de 2008
VIAGEM AO PAÍS DOS CÁTAROS

DE BURGOS A SAN SEBASTIAN/ DONOSTIA

Depois de Burgos, no caminho nosso para o País dos Cátaros, o destino é San Sebastian. Deixamos as margens de Castela, que é muito mais um grande cão magro estendido ao sol do que o leão de pé da bandeira castelhana. É triste esta paisagem de terras ressequidas de onde os velhos visigodos partiram à conquista do mundo lavrando os velhos e novos oceanos, passando a espada os povos cuja diferença se recusavam a compreender e, sobretudo, a aceitar. Triste pela cor sempre castanha de terra sem nada e pela ausência de montes que nos sirvam de guia. Os breves serros são apenas a espinha desse cão dormindo a sesta eterna. Impressionam-nos mais do que nos metem medo, mesmo quando passamos por um desfiladeiro perigoso.

Aqui compreendem-se bem os versos do sevilhano António Machado:

“ Castilla miserable, ayer dominadora,

Envuelta en sus andrajos desprecia cuanto ignora.

Espera, duerme o sueña? La sangre derramada

Recuerda, cuando tuvo la fiebre de la espada?”

A viagem é rápida porque, até Vitória, pouco há que preencha o nosso olhar a não ser aquela secura repetida.

De Vitória recordo o cinzento das casas e das ruas, e o nevoeiro cheio de fumo daquela viagem dos meus quinze anos. Não é  nesta cidade que da auto-estrada nos surge incaracterística, no portão de entrada no País Basco, que quero parar.

Se não começássemos a ver os montes verdes da terra basca, os nomes escritos nas placas da auto-estrada ali estão para nos dizer que estamos já noutro país. O castelhano deixa de ser a linguagem absoluta e partilha o espaço com o basco. Vitória/Gasteiz lê-se em todas as placas. O movimento nacionalista basco ostenta aí uma vitória, a da aceitação da língua basca, a mais antiga língua da Península Ibérica, remontando talvez a seis mil anos. É uma língua misteriosa de um povo tão antigo como misterioso e valente. Uma língua tão misteriosa que se assemelha ao japonês! A língua de um povo misterioso que não se sabe de onde veio para ocupar o extremo norte da Península Ibérica.

Os bascos sobreviveram ao Império Romano, sobreviveram aos visigodos, derrotaram estrondosamente o exército de Carlos Magno no desfiladeiro de Roncesvales, foram os grandes pilotos que guiaram portugueses e castelhanos  no desbravar dos oceanos. Hoje, continuam uma luta, tantas vezes cruel, pela sua identidade, sobrevivendo à assimilação castelhana.

Esse povo valente e único tem a nossa admiração.

Mas passamos ao lado de Vitória, porque o nosso destino é a bela San Sebastian/Donostia, a praça forte do movimento  nacionalista basco, para o qual os portugueses são objecto de admiração, a jóia do País Basco.

Chegamos a San Sebastian/Donostia ao cair da tarde, e um feliz engano da agência de viagens levou-nos para um hotel diferente do que nos estava destinado, um hotel que se ergue no alto do Monte Igueldo e de onde a cidade e concha de San Sebastian, vigiada pela Ilha de Santa Clara, nos deslumbram com a sua beleza única. Poucos lugares há em que os três elementos, a terra, a água e o ar se tenham reunido em tão grande harmonia para que possamos dizer: é aqui que desejamos viver. Do hotel, a nossa vista é dominada pela concha suave e pelo velho oceano. E pelos barcos que se recolhem para o lugar de repouso, para o ventre tranquilo da grande mãe.

À noite, a festa das luzes da cidade vista do Monte Igueldo embebeda-nos mais do que o alvoroço espanhol das ruas estreitas e muito antigas. Em San Sebastian, o melhor  para se visitar não são os monumentos, nem os museus, embora os tenha, e belos, como a elegante catedral. O melhor para ver é a cidade, as suas casas e as suas ruas tão cheias de encanto quanto de vida e de juventude, e a terra e o mar que a envolvem.

Ficaríamos aqui por longos anos. Mas espera-nos o nosso destino: o País dos Cátaros



publicado por henrique doria às 19:48
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
20
21

22
23
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

CHINESICE

FRAGMENTO

FRAGMENTO

POBRE AVÓ QUE ORA

SOMOS APENAS ÁGUA

FRAGMENTO

FRAGMENTO

CORREM EM MIM TRÊS RIOS

EM MEMÓRIA E LOUVOR DE AL...

OLHO PARA MIM

arquivos

Outubro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Abril 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

blogs SAPO
subscrever feeds