blog filosófico, cultural e político
Domingo, 29 de Abril de 2012
COESÃO OU CARNEIRISMO SOCIAL?

                             

 

António Ferro, o criador do mito de Salazar, não deixava de falar em privado da ignorância cultural enorme do mito que criara.

E, pensando nisso, não podemos hoje deixar de fazer o paralelismo entre Salazar e Cavaco. Cavaco, findo este seu mandato, quase atingirá o tempo de permanência de Salazar na ribalta do poder, 36 longos anos, de1980 a2016. Aignorância de Salazar em tudo o que era cultura tem o seu equivalente em idêntica ignorância de Cavaco. O cinismo de Salazar é o cinismo de Cavaco. O Portugal de súbditos que Salazar criou é o mesmo que Cavaco, um chefe de fação política, pretende. A coesão social que Salazar construiu é a mesma coesão social que Cavaco e a sua fação estão a tentar instalar: a abulia cívica ou, em termos simples, o carneirismo social.

Salazar implantou esse carneirismo social pelo medo da violência repressiva e pela censura. Cavaco e o seu governo pretendem implantar o carneirismo social através do medo da miséria e de controle apertado de uma comunicação social que lhe é subserviente.

Ainda há um ano, com um chefe de governo que não era da sua fação, Cavaco perorava contra os inaceitáveis sacrifícios que estavam a ser exigidos aos portugueses. Agora que, contra tudo o que foi prometido nas eleições, os sacrifícios  infligidos pelo governo de Cavaco são muito maiores do que os que então estavam a ser exigidos por Sócrates, Cavaco, com o seu habitual cinismo, perora sobre a exemplar coesão social do nosso país.

Mas que coesão social existe quando uma parte substancial da riqueza nacional é transferida das classes médias e baixas para as classes mais altas por intermédio do seu governo? Que coesão social existe quando a injustiça e a miséria aumentam? Que coesão social existe quando a mentira, o logro e o cinismo campeiam em quem exerce o poder, em total desprezo pelos portugueses?

Mas este 25 de Abril de 2012 mostrou que o carneirismo social dos portugueses não é um dado adquirido como pensam Cavaco e a sua fação. Os militares que conquistaram a liberdade para Portugal em Abril de 1974, através  de um golpe que, como bem referiu o economista e historiador americano Samuel Huntington, foi o primeiro na História que foi levado a cabo para entregar o poder aos civis e construir uma democracia, esses militares de Abril que cumpriram a sua palavra, defendendo a democracia e entregando o poder ao povo, esses mesmos militares que se recusaram a aproveitar do poder, que recusaram a mentira e o cinismo, tiveram agora a coragem cívica de recusarem a mentira e o cinismo do poder instalado sob o domínio de Cavaco Silva colaborando com ele nessa farsa que foram as comemorações oficiais do 25 de Abril, levadas a cabo por quem está apostado em destruir tudo o que representa o 25 de Abril.

E aqui, no Porto, uma manifestação como há muito não se via nesta cidade, ousou contrariar a ocupação da escola  da Fontinha por parte do barão do poder cavaquista que é Rui Rio que, ao longo de anos, foi incapaz de fazer com que essa escola deixasse de ser uma casa para prostitutas e drogados, e expulsou dela violentamente aqueles que lhe conseguiram dar uma dimensão educacional e cívica ultrapassando a incapacidade da Câmara que dirige, fazendo-o exemplarmente e de modo totalmente desinteressado.

Afinal Cavaco e a sua fação estão enganados: aquilo que eles apelidam de coesão social e não é mais que carneirismo social, não está generalizado. As sementes da revolta começam a ser espalhadas na terra portuguesa.

           



publicado por henrique doria às 14:26
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

FRAGMENTO

FRAGMENTO

POBRE AVÓ QUE ORA

SOMOS APENAS ÁGUA

FRAGMENTO

FRAGMENTO

CORREM EM MIM TRÊS RIOS

EM MEMÓRIA E LOUVOR DE AL...

OLHO PARA MIM

FRAGMENTO

arquivos

Outubro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Abril 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

blogs SAPO
subscrever feeds