blog filosófico, cultural e político
Domingo, 29 de Agosto de 2004
ESCADAS DE INCÊNDIO
Ali ao lado do seu quarto
eu podia ouvir os seus sonhos
mesmo os mais silenciosos-
sonhos diferentes de tudo quanto imaginava.

Umas vezes beijava
a boca de um cântaro
e o sabor da argila entrava
pela noite dentro.

Outras abria deslumbrado uma porta
junto ao mar
para onde davam as escadas de incêndio.

Outras ainda surgia devagar
com a lua em crescente
cortando-lhe a garganta
e fazendo correr um leve fio de sangue
em tudo o que era estranho
nesta simplicidade.

HENRIQUE DÓRIA- Escadas de Incêndio


publicado por henrique doria às 22:39
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|

Sábado, 28 de Agosto de 2004
RENÉ MAGRITTE- Invenção Colectiva
1poiss.jpg


publicado por henrique doria às 09:50
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Sexta-feira, 27 de Agosto de 2004
NA PRAIA
Eram mil vagas ou astros
mais que muitos um brilho cheio
da luz de Vénus desceu sobre nós dois
ajeitaste-me os membros lassos depois
procuraste. Encontraste. Encontrei. Então
foi tempo de cantar um canto aos peixes
napolitana a Lua gingava guizos
de ver prazeres metais sonoros
os pirilampos como que atiravam beijos claros
fugidos perdidos pelo resto da noite.

ULLA HAHN - A Sede Entre Os Limites


publicado por henrique doria às 01:02
link do post | comentar | favorito
|

...
- A misericórdia humana constrói destes castelos, para que os ricos não assistam ao sofrimento dos pobres. E fê-los de pedra, de granito bem sólido, para que se não ouçam os gritos cá fora.

RAÚL BRANDÃO - Os Pobres


publicado por henrique doria às 00:53
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Terça-feira, 24 de Agosto de 2004
FAHRENEIT 9/11, de Michael Moore

Uma camarilha sinistra e sem princípios governa a América. E, governando a América, governa o mundo. É a mensagem que se retira do filme documentário de Michael Moore, Fahreneit 9/11, que obteve a Palma de Ouro do Festival de Cannes, neste ano de 2004.
Já escreveram alguns que se trata de um trabalho de simples ( simplista até) propaganda a favor do Partido Democrático. Pensamos que não. É que se GW Bush e a camarilha que o envolve na Casa Branca e, de um modo geral, nas teias do poder na América, é colocada na grande cloaca do mundo, o Partido Democrático também não sai lá muito bem da fotografia.
Vejam-se as cenas pungentes no Senado americano em que, perante a evidência de fraudes gravíssimas nas eleições no Estado da Florida, governado pelo irmão de G W Bush, os vários representantes locais dos eleitores que vieram ao Senado denunciar, por escrito, como obrigava a lei, essas fraudes, não conseguiram obter a assinatura de um único senador democrata, incluindo All Gore, imprescindível para que as fraudes fossem discutidas no Senado.
Por outro lado, a passividade do Partido Democrático perante situações tão graves como a saída, por avião, de vinte e cinco elementos da família Ben Laden sem serem interrogados pela polícia, quando se sabia que os atentados tinham sido levados a cabo por Ben Laden, e quando era estritamente proibido qualquer voo nos céus da América, depois dos ataques de 11 de Setembro. E a mesma passividade perante a evidência de que a administração Bush permitiu a Ben Laden um avanço de dois meses de modo a levar a cabo com absoluto sucesso a sua fuga, quando, se agisse com rapidez, poderia facilmente tê-lo apanhado - a passividade do Partido Democrático nessas circunstâncias demonstra a existência de um partido frouxo, acomodado, sem coragem para enfrentar as grandes e complexas questões que a América teve de enfrentar na sequência do 11 de Setembro.
Fahreneit 9/11 não deixa, porém, quaisquer dúvidas de que a administração Bush é o que há de mais currupto e mais podre na sociedade americana. E que o que guia G W Bush e a sua camarilha é o uivo do dinheiro, em particular do dinheiro que vem da Arábia Saudita e, em particular, da família Ben Laden.
Michael Moore demonstra no seu filme que, para se perceber o 11 de Setembro e todo o comportamento da administração Bush depois dessa data terrível para a América, teremos de ter em conta o seguinte:
A família real da Arábia Saudita e a família Ben Laden a esta estreitamente ligada detêm 7% ( sim, sete por cento!) de toda a economia americana.
Os gestores do essencial desses 7% são precisamente a família Bush e a gente que lhe é mais próxima no poder.
Daqui se depreende todo o comportamento dúplice de G W Bush, e a invasão do Iraque.
Por outro lado, Michael Moore dá-nos uma imagem muito fiel à realidade da personalidade de G W Bush. Dizia Santo Agostinho que o rosto é o espelho da alma. E Michael Moore passa grande parte do filme a mostrar-nos o rosto verdadeiro de G W Bush – verdadeiro porque anterior às maquilhagens e ao espectáculo devidamente encenado que dele nos dão as televisões.
Aquela repetição dos três minutos que Bush tem de esperar pelo ida para o ar da emissão televisiva, os seus esgares, os seus tiques, o vazio mental que se depreende do seu rosto, naqueles três minutos, são uma extraordinária imagem da personalidade daquele que é, neste momento, o senhor do mundo.
Depois, aquela longa espera de 7 ( sete!) minutos pela reacção de Bush à informação que lhe fora dada pelo seu staff da tragédia que o país acabava de sofrer com o ataque às torres gémeas, a filmagem implacável daquele rosto primeiro com ar de idiota, e, depois, com ar de canalha, aquele rosto que assim se apresentava nu e igual a si próprio, ao mundo, são dos momentos mais notáveis deste filme documentário, em que os personagens reais são actores, e a ficção é a própria realidade filmada.
E é nisso que Fahreneit 9/11 é absolutamente inatacável: o que nos mostra não é uma encenação, mas um conjunto de filmagens da própria pessoa de G W Bush, da sua família ( pai incluído) e da gente sinistra que com ele domina a actual administração americana. Gente com uma alma feia, como o é a verdadeira face da Secretária de Estado (Ministra dos Negócios Estrangeiros) Condolesa Rice, onde a ambição sem escrúpulos e o cinismo surgem estampados no seu rosto sem máscara.
Porque tudo na administração Bush é máscara e disfarce.As suas ameaças a Ben Laden escondem os negócios que tem com a família que, como o filme demonstra, não cortou relações com Ossama. O seu ataque ao Afeganistão não passa de uma fantochada, como fantoches são os gestores que Bush colocou à frente do Afeganistão, a começar pelo seu Presidente, cúmplice nos negócios da família Bush. O seu ataque ao Iraque não passa de outra fantochada, para desviar a atenção do povo americano da sua estrutural incapacidade para gerir o país ( como o foi para gerir as empresas em que se meteu antes de ser Presidente), da sede de dinheiro dele e da clique que o rodeia, da sua falta de vontade de capturar Ossama Ben Laden e o seu exército de fanáticos.
Sem ser propriamente um grande filme, Fahreneit 9/11 é um documentário de uma verdade cruel sobre os tempos de hoje .
Desde a fraude ostensiva que foi a eleição de Bush, à manifesta incapacidade e displicência para gerir o país no seus primeiros meses de Presidência, ao 11 de Setembro e ao comportamento de G W Bush perante a tragédia que atingiu a América ( e é aqui que Fahreneit 9/11 tem os seus melhores momentos), às ligações da família Bush à família real saudita e à família Ben Laden, à invasão do Iraque e à falsidade da sua motivação, e, finalmente, aos horrores da guerra.
Um filme /documento que é imprescindível ver.

HENRIQUE DÓRIA


publicado por henrique doria às 13:04
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

Domingo, 22 de Agosto de 2004
...
A ternura é húmida.
O mundo é feito de dor - a vida é feita de ternura.

RAUL BRANDÃO - Húmus


publicado por henrique doria às 23:27
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Sexta-feira, 20 de Agosto de 2004
DE NOVO GEORGE STEINER
Após umas férias que me levaram através do Portugal mais interior, de Bragança a Serpa, passando por Freixo de Espada à Cinta, Sortelha e Marvão, entre outros lugares belíssimos, descubro outro livro de GEORGE STEINER, um conjunto de entrevistas dadas a Antoine Spire, com o título BARBÁRIE DA IGNORÂNCIA.
De novo STEINER volta a fascinar-nos e inquitar-nos. Transcrevo uma passagem desse livro:
" Cito três problemas que, neste momento, são objecto de discussão...: a criação artificial da vida, os buracos negros ( que são os limites do universo) segundo a teoria de Hawking e Penrose, e a afirmação de Crick - que, com Watson, descobriu o ADN -, segundo a qual o ego cartesiano, a consciência, são uma neuroquímica que em breve conheceremos. Por comparação com isto...até mesmo os romances superiores, os mais finos, me parecem quase pré-históricos."
Esta afirmação, vinda de alguém que dedicou a vida a escrever sobre a literatura, fascina-nos e perturba-nos.
A estes objectivos supremos a investigação científica actual eu acrescentaria um outro, o do teletransporte de informação - ou mesmo de matéria - que ontem foi objecto de uma experiência conseguida em Viena.
A ciência trouxe à arte a consciência dos seus limites.
Mas creio que nos trouxe também, com nova premência, a consciência dos limites da própria ciência: afinal, apesar dos seus triunfos, de todo o fascínio que a ciência nos causa, ela não conseguiu resolver o essencial dos problemas de grande parte da Humanidade: a miséria, a fome, a ignorância, o sofrimento, a barbárie.
E é isso que torna a necessidade de reflexão e acção política um imperativo.
Se o socialismo real falhou, como setenta anos o mostraram, o capitalismo real também não serve o homem, como duzentos e setenta anos também o demonstraram.
Como refere STEINER, "nunca o uivo do dinheiro se fez ouvir como hoje por todo o planeta."
Há que conseguir um novo paradigma, há que descubrir lugares de fractura para que o Homem volte a ser o destino do homem.



publicado por henrique doria às 22:44
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

Domingo, 1 de Agosto de 2004
ERAS UMA MAÇÃ DENTRO DO MEU SONHO
Eras uma maçã dentro do meu sonho
E deambulavas no imenso-ventre azul
Do céu sem fundo
E aí eras a semente-dourada
Que iria tornar o meu corpo incandescente

-E o mundo

HENRIQUE DÓRIA - Mar de Bronze


publicado por henrique doria às 23:27
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|

...
Será que a felicidade só pode nascer do ovo escuro do sofrimento, ou é o sofrimento que transporta em si os limites da felicidade?


publicado por henrique doria às 23:15
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

SANTANA LOPES contra DURÃO BARROSO
Afirma Lopes:
" Não vou cantar hossanas quanto a tudo o que foi feito em Portugal. Impressionou-me o muito que não foi feito"
Independentemente de Santana já estar a jogar à defesa, creio ser esta a primeira frase em que estou de acordo com ele.

HENRIQUE PRIOR


publicado por henrique doria às 10:38
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

POBRE AVÓ QUE ORA

SOMOS APENAS ÁGUA

FRAGMENTO

FRAGMENTO

CORREM EM MIM TRÊS RIOS

EM MEMÓRIA E LOUVOR DE AL...

OLHO PARA MIM

FRAGMENTO

VIESTE AVE DE FOGO

NADA É ETERNO

arquivos

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Abril 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

blogs SAPO
subscrever feeds