blog filosófico, cultural e político
Domingo, 19 de Setembro de 2004
REGRESSEMOS AO MAR DA JUVENTUDE
Regressemos ao mar da juventude
Minha amiga, desçamos ao fundo da alegria
À luz da nossa única virtude
- Mesmo que perdido o amor, com nostalgia.

Em restos de conchas, pedacinhos de ossos
Repousam os barcos do passado,
E com pequenas nuvens - mas são ainda os nossos -
Uns olhos tristes nesse mar coalhado.

Desçamos pois à areia
E aí dancemos
Entre éguas marinhas
Mirando nossos rostos magoados.

Nesse fundo se acende a última candeia
Do desejo
Feita do barro e das pedrinhas
Em que seremos ambos transformados.

HENRIQUE DÓRIA - Mar de Bronze


publicado por henrique doria às 10:46
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|

SEM TECTO, ENTRE RUÍNAS, À ESPERA...
"A vida antiga tinha raízes, talvez a vida futura as venha a ter. A nossa época é horrível porque já não cremos - e não cremos ainda. O passado desapareceu, do futuro nem alicerces existem. E aqui estamos, sem tecto, entre ruínas, à espera..."

RAÚL BRANDÃO- Memórias I


publicado por henrique doria às 10:33
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 18 de Setembro de 2004
AGAR E ISMAEL
Os filhos pequenos de Abraão andavam a brincar
Com conchas, barcos de madrepérola boiando;
Depois, Isaac encostou-se a Ismael, assustado,

E, tristes, os dois cisnes negros puseram-se a cantar
Em tons sombrios, envolvendo o colorido do seu mundo,
E Agar, a rejeitada, num instante roubou-lhe o filho amado.

Verteu a sua grande lágrima na dele, mais pequena,
E os seus corações marulharam como o poço sagrado
E eles correram, mais que a avestruz, em sua pena.

Mas no deserto o sol queimava, avermelhado,
E Agar e o seu menino deixaram-se cair no velo amarelado
E cravaram na areia os seus dentes brancos de povo negro.

ELSE LASKER- SCHÜLER - Baladas Hebraicas


publicado por henrique doria às 10:22
link do post | comentar | favorito
|

O DESPRESO
O caso da fabulosa pensão de Mira Amaral, despachada à velocidade da luz, é o exemplo mais flagrante do despreso que esta gente que nos governa tem pelo povo. Quantos não passarão enormes dificuldades à espera que os burocratas de serviço tenham tempo para, entre dois dedos de conversa, umas cigarradas e uns cafés, se dignem despachar as suas míseras pensões equivalentes ou inferiores mesmo ao salário mínimo nacional?
Depois, ainda gramamos o cinismo, a cara de pau, com que Santana Lopes e Bagão Félix vêm dizer que se vão informar sobre o assunto.
Espantamo-nos como é possível que tal gente nos governe!


publicado por henrique doria às 10:09
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

DÍVIDAS AO FISCO-Ontem como hoje
"Um empregado da Fazenda:
-Em cada um dos grandes bairros de Lisboa há milhares de processos de dívidas à Fazenda parados. Companhia que tenha votos paga quando quer e como quer. Só os desgraçados são penhorados. Isto representa muitas centenas de contos, que se perdem por empenho, por política, por desleixo."

RAUL BRANDÃO - Memórias I


publicado por henrique doria às 09:56
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 12 de Setembro de 2004
TEMOS TEMPO TEMOS MAR
Temos tempo temos mar
Depois das horas de azul
tem a sombra que ficar
presa nos ramos do sul.
Caminhos do teu amor
Estradas da tua paixão
Choro entre o espinho e flor
Com que se arma a canção.
Tenho eu sol nesta lembrança
De pés descalços no chão
Rindo no gume da neve
E a vida que nunca alcança
Por ser o sonho tão breve

Os montes do coração.

HENRIQUE DÓRIA - Mar de Bronze


publicado por henrique doria às 10:52
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|

Sábado, 11 de Setembro de 2004
CAMILO, GUERRA JUNQUEIRO, E DEUS
"E um dia, ao saber Camilo céptico, Camilo com noites de sombrio desespero, palpando a coronha do revólver, não foi de propósito procurá-lo para lhe pregar Deus?
...
O poeta tenta arrancá-lo do negrume que o envolve: desenrola teorias, explicações, argumentos; ataca-o a fundo, persuade-o talvez...Já o julga abalado e convertido, quando dessa figura, só osso e dor, saem enfim estas palavras irónicas:
...- Sim, sim Junqueiro, você convencia-me se eu não tivesse ainda no estômago, desde o almoço, três bolinhos de bacalhau, que me estão aqui como três Voltaires."

RAUL BRANDÃO- Memórias


publicado por henrique doria às 22:40
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Quinta-feira, 9 de Setembro de 2004
...
Tenhamos nós uma parte da perfeição que queremos que Deus tenha e Ele não tem- e tenhamos uma parte cada vez maior dessa perfeição.
Sejamos pequenos deuses, pelo menos no desejo.


publicado por henrique doria às 01:05
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|

Quarta-feira, 8 de Setembro de 2004
UM APOIO PARA MEDITAR

Aos gondomarenses mais atentos não espantou o rasgado elogio que Valentim Loureiro prodigalizou a José Sócrates, que foi ao ponto de dizer que Sócrates seria um grande Primeiro-Ministro.
Tal elogio não foi mais que a retribuição de outro que Sócrates, em visita a Gondomar, prodigalizou ainda não há muito tempo a Valentim Loureiro, elogiando a sua prestação à frente da Câmara de Gondomar.
Quando prestou este elogio a Valentim Loureiro, já não se exigiria que, antes de falar, perguntasse primeiro a opinião dos socialistas gondomarenses, em particular dos seus dirigentes.<
Bastaria que Sócrates perguntasse a opinião de muitos dentre os filiados no PSD sobre o que o seu próprio partido estava a fazer em Gondomar.
Ou, então, e isso seria mais isento, que visitasse ele próprio as zonas onde pretendia implantar o POLIS para verificar o caos que Valentim Loureiro trouxe a Gondomar, incluindo a vergonha que é o edifício de 16 pisos junto ao palácio do Freixo, um edifício que, se houvesse coerência na política, seria para demolir como Sócrates exigiu a demolição do edifício Coutinho, em Viana do Castelo.
Ou que sobrevoasse o concelho, para ver a floresta de betão em que a dupla Valentim Loureiro e José Oliveira transformou Gondomar.
Talvez Sócrates prodigalizasse então elogios a Valentim Loureiro, para os ver retribuídos num futuro próximo. O que conseguiu.
Mas estes elogios de Valentim a Sócrates, para além de parecerem algo como uma intromissão na vida interna do Partido Socialista, colocam-nos várias interrogações.
Será que o governo que Sócrates fará se for Primeiro-Ministro é o governo que agrada tanto a Valentim Loureiro?
Será que um governo que tanto agrada a Valentim Loureiro é um governo em que os socialistas e a maioria dos portugueses se possam rever?
Porque é que Sócrates não se demarcou, até hoje, claramente desse apoio?
Será que Sócrates desconhece o que se passa em Gondomar, e que todo o país conhece?
Será que Sócrates ignora a difícil luta que os dirigentes do Partido Socialista de Gondomar têm travado, e os quer pôr à margem?
E outra interrogação ainda: o que faz Valentim Loureiro correr tanto atrás de Sócrates, ao ponto de se imiscuir nas questões internas do PS, em vez de se limitar ao imbróglio criado entre o PSD do Porto e Gondomar por um lado, e o de Gaia, por outro?
Dizia Francois Mitterrand, “ A chacun ses espagnols”. Isto é, a cada um os seus companheiros.
E a companhia que Sócrates e Valentim fazem um ao outro deve fazer meditar seriamente os socialistas gondomarenses que tão bem conhecem Valentim Loureiro, as suas companhias e a desgovernação que faz do concelho.

HENRIQUE PRIOR



publicado por henrique doria às 00:45
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
20
21

22
23
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

CHINESICE

FRAGMENTO

FRAGMENTO

POBRE AVÓ QUE ORA

SOMOS APENAS ÁGUA

FRAGMENTO

FRAGMENTO

CORREM EM MIM TRÊS RIOS

EM MEMÓRIA E LOUVOR DE AL...

OLHO PARA MIM

arquivos

Outubro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Abril 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

blogs SAPO
subscrever feeds