blog filosófico, cultural e político
Domingo, 29 de Maio de 2005
GATO ZECA PROCURA COMPANHEIRA(S)
Zeca.jpg
Gato inteligente, meigo, bem apessoado, procura companheira(s) com idêntico perfil.Solicita-se o envio de fotografia, que será devolvida se não interessar. ASSUNTO SÉRIO, embora não se garanta fidelidade. Resposta para este blog.


publicado por henrique doria às 23:34
link do post | comentar | ver comentários (9) | favorito
|

MEDITAÇÃO SOBRE UM CAMINHO FABULOSO
" Na floresta de Gribskov, há uma lugar denominado « O Canto dos Oito Caminhos». Só o encontra quem o procura com muito cuidado e finura, porque nenhum mapa o indica.Mesmo o seu nome é uma contradição, porque como pode um cruzamento de oito caminhos públicos formar um «canto» solitário e secreto? Se o encontro de três caminhos chega para para dar nome a tudo o que teme um solitário: a trivialidade, quanto mais trivial ainda não deve ser o encontro de oito caminhos! E, no entanto, é assim mesmo:oito caminhos e quanta solidão!...Próximo dele, um bosque de sebes, tem o nome de «Cerrado Fatal»...A animação dos oito caminhos não é mais do que uma pura possibilidade, - possibilidade para o espírito. Porque ninguém frequenta esse lugar, salvo um pequeno insecto que se apressa, lente festinans... Ninguém frequenta estes caminhos, a não ser o vento, de que não se sabe de onde vem nem para onde vai."

SOREN KIERKGAARD- In Vino Veritas


publicado por henrique doria às 12:54
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Sábado, 28 de Maio de 2005
O FIM DO SIGILO FISCAL
Entendo que a importância da justiça fiscal sobreleva os inconvenientes que, eventualmente, poderá causar o fim do sigilo fiscal.Para mim, que sei o valor do dinheiro, porque me custa muito a ganhar, mas que o desvalorizo, porque o gasto naquilo que é importante gastar - sem sequer me dar muito conta disso - entendo que é importante o controle da proveniência e do valor da riqueza. Não tenho algum problema que saibam quanto tenho e de onde vem o que tenho. Faço questão disso, porque aquele que vive ao meu lado na pobreza tem o direito de saber como ganhei o que tenho e se contribuo para que a sua pobreza seja minorada quando defendo a liberdade, a igualdade e a fraternidade.


publicado por henrique doria às 10:03
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|

Sexta-feira, 27 de Maio de 2005
HYERONIMUS BOSCH-A Extracção da Pedra da Loucura
bosch2.jpg


publicado por henrique doria às 22:42
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Quinta-feira, 26 de Maio de 2005
A DOENÇA E A CURA
É por demais sabido que a razão do défice crónico do nosso orçamento deriva, em primeiro lugar, da falta de competitividade da nossa economia, e que esta deriva, em primeiro lugar, do défice de formação de gestores económicos e trabalhadores.
Bem sabemos que tudo isso é o resultado longínquo de 50 anos de salazarismo em que a educação e a cultura foram votados ao abandono.
Mas começa, desde há alguns anos, a deixar de o ser, porque o próprio salazarismo está cada vez mais longínquo.
Temos vindo, particularmente no último decénio, a investir cada vez mais na educação, e a percentagem das despesas de educação no Produto Interno Bruto(PIB), que, em termos simples, é o valor dos bens e serviços que o país produz anualmente, está já próxima da média da União Europeia.
É bom lembrar-se que os efeitos no tecido económico nacional desse esforço não são imediatos, e só virão a sentir-se, verdadeiramente, dentro de outros dez anos.
Mas, até os efeitos no investimento na educação se sentirem, o que fazer para, desde já, aumentar a necessidade premente de competitividade da nossa economia e do próprio aparelho de Estado?
Ao contrário do que é opinião comum, pese embora a formação sofrível, senão mesmo medíocre, da nossa classe política, a verdade é que ela é, manifestamente superior à formação da nossa classe empresarial. Esta, no que toca ao essencial do poder económico, isto é, banca, seguros, comércio por grosso, tem o grave defeito de ser exactamente a mesmo que dominava o poder económico antes do 25 de Abril e pactuou, se é que não foi o principal suporte, do salazarismo.
É por isso que os vemos a reclamar benesses a torto e a direito, nomeadamente através de benefícios fiscais que atingem o escandaloso, e, ao mesmo tempo, a falarem sempre mal do Estado para obterem ainda mais benesses, quando não escuros negócios chorudos.
Mas, para além deles, a generalidade da classe empresarial, que devia constituir uma elite, é praticamente tão inculta como os seus trabalhadores.
Com uma agravante: enquanto as organizações sindicais promovem a formação dos trabalhadores que deveriam ser os empresários a promover, em primeira linha, as associações empresariais não promovem a formação dos empresários. Isto é, o desinteresse pela qualificação é muito maior na classe empresarial do que na classe trabalhadora.
Por isso, a primeira medida imediata que o Estado deveria tomar para combater a doença estrutural da nossa economia, seria a de fazer exigências de qualificação aos empresários ( pelo menos aquelas que exige aos trabalhadores).
Sem isso, outras mediadas serão apenas paliativos. Uns melhores e outros piores.
Alguns desse paliativos foram agora anunciados pelo Governo de José Sócrates.
Em nosso entender, esses paliativos são injustos, na sua generalidade, para a população que os sofre, e tecnicamente discutíveis.
A subida do IVA mostrou-se ser uma medida necessária. Mas não a subida de 2 pontos percentuais. O IVA é um imposto que não faz justiça social, bem pelo contrários é o imposto mais gravoso para os consumidores, em particular para os pequenos e médios, que têm um orçamento apertado, no qual o aumento da despesa mais se fará sentir. Se era ( e é, realmente) necessária a subida do IVA, ele poderia subir apenas um ponto percentual.
Então como conseguir o resto do dinheiro?
Em primeiro lugar na abolição das auto-estradas sem portagem, privilégio de alguns que todo o país paga. Não é aceitável que quem vive em Figueira de Castelo Rodrigo, longe do acesso a auto-estradas, que os trabalhadores, pensionistas e reformados pobres que não usam auto-estradas, paguem a Via do Infante e outras auto-estradas sem portagem do litoral ( ou até do interior).
Diria José Sócrates que fez a promessa de não colocar portagens nas Scuts. Mas também fez a promessa de não aumentar os impostos e aumentou-os, pelo que seria muito mais justo que o liberal Ministro das Finanças Luís Campos Cunha doseasse e repartisse os sacrifícios, do que mantivesse uma promessa cuja manutenção é, por si, uma injustiça - a de manter as auto-estradas sem portagem.
Outra medida imediata a tomar pelo governo seria o controle dos lóbis ( para não dizer máfias) económicos instalados nos ministérios.Um exemplo flagrante disso é o Ministério da Justiça. Este ministério gastou, há cerca de 20 anos, rios de dinheiro em instalações de gravação de prova nos tribunais que só dez anos depois começaram a ser utilizados. É óbvio que, quando começaram a ser utilizados, já estavam completamente desactualizados. O preço deles não sabemos ao certo, mas sabemos que foi uma escandaleira.
Os cartórios notariais e as conservatórias estão a abarrotar de computadores, metade deles encaixotados. Uma caixinha em plástico transparente destinada a receber reclamações que existe nestes serviços, adquirida a uma conhecida fornecedora do Estado, custou ao Estado 8 Euros. Qualquer loja dos 300 não levaria por essa caixa mais do que 1 euro. Se isto é assim nestas ninharias ( que somadas dão muito) imaginamos como não será nos grandes fornecimentos, nomeadamente de mobiliário, que volta e meia é substituído a torto e a direito nos tribunais e nas referidas repartições.
Sabemos o que são os interesses económicos instalados no Ministério da Justiça. Imaginamos o que serão no Ministério da Saúde e na Defesa Nacional, entre outros.
Por outro lado, é sabida a escandalosa derrapagem das obras públicas, em particular das grandes, sem que alguma vez alguém tenha sido responsabilizado por essas derrapagens.
Uma medida de saneamento urgente seria o acompanhamento financeiro MENSAL da execução das obras públicas, em particular das grandes, e a responsabilização de todos aqueles que as projectaram e orçamentaram, a fim de que este escândalo nacional pare de uma vez por todas.
Só estas medidas tornariam desnecessário o aumento de um ponto percentual do IVA.
Mas mais seria necessário e possível fazer: são da maior premência medidas de controle da fuga ao fisco através da subfacturação ou da sobrefacturação, e o fim dos sigilos fiscal e bancário, para que as riquezas deste país, grandes ou pequenas, fossem de conhecimento público, a fim de que os cidadãos pudessem exercer censura sobre os detentores de riqueza, controlando-se a legalidade da sua proveniência e os impostos que pagam ou deixam de pagar
E de maior premência ainda é terminar com o caos e a injustiça que grassa no funcionamento dos tribunais, que são mais teatros do absurdo do que Casas da Justiça.
Só isso levaria a um aumento do PIB em, pelo menos, 8 por cento. E tornaria desnecessárias grande parte destas medidas tão gravosas para os cidadãos que acabam de ser tomadas.


publicado por henrique doria às 12:49
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Domingo, 22 de Maio de 2005
...
BENFICAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAGOGOL PLEX!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!


publicado por henrique doria às 21:32
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Sexta-feira, 20 de Maio de 2005
EDUCAÇÃO PELO SONHO
Salto de telhado em telhado
E com enorme rede de borboletas
Caço tecnocratas burocratas
Gnoseocratas

Coloco os mais belos exemplares
Em pequenos vidros com ácool
E escrevo nos rótulos
Cada nome pesquisado

Mostro-os aos alunos em classe

Junto com dinossauros
Gigantossauros tiranossauros
Que descem obedientes
Das paredes da sala de aula

E tu adoças o meu sonho
Vejo que a orelha esquerda te sorri

Provoca-me um quieto insecto
Meu conhecido professor de biologia

VASKO POPA-Corte


publicado por henrique doria às 22:34
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

Terça-feira, 17 de Maio de 2005
O HORÁRIO DA ESCOLA
Num Congresso do PS apresentei, em tempos, uma moção sectorial, que foi aprovada, na qual propunha que as crianças e os jovens permanecessem na escola pública entre as 8,30h e as 18h.Com aulas em metade do tempo, e estudo acompanhado na outra metade.
Como medida complementar desta deveria reduzir-se o número de disciplinas para 8, no máximo. Seriam 6 as obrigatórias: Português e Matemática, por razões óbvias;História e Geografia, para que os alunos aprendessem a situar-se no tempo e no espaço.Depois, uma língua estrangeira e Educação Física. Além destas deveria haver mais duas disciplinas de opção, dentro de um leque em que estariam Física-Química, Ciências da Natureza, Educação Visual, Educação Musical e Educação Cívica.
Estas medidas teriam, desde logo, três vantagens, entre outras: 1ª Retirar o contacto dos alunos com o mundo absorvente e fácil da imagem (agora, até os livros de Matemática estão cheios de imagens!) incutindo-lhes a prática do esforço e da abstracção, essenciais a qualquer processo de aprendizagem. 2º Proporcionar-lhes uma ocupação acompanhada do tempo fora de aulas já que, a maior parte deles, saindo das aulas vai para casa ou para a rua, onde fica ao abandono até que os pais regressem do trabalho.3º Proporcionar uma adaptação do horário escolar ao horário de trabalho dos pais.
Parecem ir neste sentido as recentes propostas da Ministra da Educação.Oxalá que assim continue, pondo em prática o que foi discutido e aprovado num Congresso socialista, mas, infelizmente, posto de parte pelo PS.


publicado por henrique doria às 23:43
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

O CASO GRÃO-PARÁ
O que impressiona no caso Grão-Pará é a cumplicidade do poder político com a fraude descarada.Repare-se que, no Governo de Guterres, Pina Moura aceitou como pagamento de dívidas à Segurança Social bens que valiam, na melhor das hipóteses, 10% da dívida, bens que davam e continuaram a dar prejuízo a quem os explora- dantes a Grão-Pará, agora o Estado.
Não contente com isso, o cristão Abel continuou a arrecadar o que descontava aos trabalhadores e deveria ter entregado à Segurança Social ao longo de anos, sem que alguma vez tivesse sido incomodado com processos crime de abuso de confiança fiscal- processos esses que o Fisco e a Segurança Social estão a levantar a torto e a direito a empresários têxteis, alguns dos quais se têm desfeito de bens próprios para segurar as empresas.
Note-se que a Segurança Social, a quem deve milhões, aceita o pagamento de 10% da dívida, sem juros vencidos nem vincendos, e em 10 anos. A quem deve meia dúzia de milhares, exige tudo, com juros vencidos e vincendos. Conheço pequenos empresários aos quais a Segurança Social e o Fisco puseram a própria casa à venda.
Mas o cristão Abel ( e alguns outros como ele) parece estar protegido pela casa de Deus.
No final, se calhar ainda vai pedir uma indemnização ao Estado por ter sido incomodado pelo Ministério Público e pela comunicação social. E nada garante que a não obtenha, com a justiça que temos.


publicado por henrique doria às 22:55
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 15 de Maio de 2005
SER BENFIQUISTA
Ser benfiquista é gostar da montanha russa.


publicado por henrique doria às 15:52
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

POBRE AVÓ QUE ORA

SOMOS APENAS ÁGUA

FRAGMENTO

FRAGMENTO

CORREM EM MIM TRÊS RIOS

EM MEMÓRIA E LOUVOR DE AL...

OLHO PARA MIM

FRAGMENTO

VIESTE AVE DE FOGO

NADA É ETERNO

arquivos

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Abril 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

blogs SAPO
subscrever feeds