blog filosófico, cultural e político
Domingo, 27 de Novembro de 2005
A VERDADE
A verdade está nas roeduras
da traça e das toupeiras,
da poeira que sai das cómodas bafientas
e nas crostas dos queijos bem curados.
A verdade é a sedimentação, a estagnação,
não a logorreia nojenta dos dialéticos.
É uma teia de aranha, pode durar,
não a destruam com a escova.
É uma burla de escoliatas a ideia de que tudo se move,
a ideia que depois de um princípio vem um depois
que há água por todo o lado.Saudemos
os ineptos que não embarcam. Estaremos melhor
sem eles, estaremos também pior, mas
respiraremos com alívio.

EUGENIO MONTALE-Cadernos dos quatro anos.

tradução de Henrique Dória


publicado por henrique doria às 17:28
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|

Sábado, 26 de Novembro de 2005
LA VERITÀ
La verità è nei rosicchiamenti
delle tarme e dei topi
nelle polvere ch´esce da cassettoni amuffiti
e nelle croste dei "grana" stagionati.
La verità è la sedimentazione, il ristagno
non la logorrea schifa dei dialettici.
È una tela di ragno, può durare,
non distruggetela con la scopa.
È beffa di scoliasti l´idea che tutto si muova,
l´idea che dopo in prima viene un dopo
fa acqua da tutte le parti. Salutiamo
gli inetti che no s´imbarcano. Si starà meglio
senza di loro, si starà anche peggio
ma si tirerà il fiato.

EUGENIO MONTALE-Quaderno di quattro anni


publicado por henrique doria às 20:36
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Quarta-feira, 23 de Novembro de 2005
Pensamento Impenetrável
Dizem os cientistas que o átomo que eu respiro agora poderá ter saído da boca de Júlio César. Certamente que está aqui a razão da impenetrabilidade essencial do coglomerado que é o nosso pensamento.
E ainda bem que a sua essência é impenetrável, porque é essa impenetrabilidade que nos permite sermos nós próprios, mesmo que partilhemos o nosso mundo com os outros.
Se fosse possível a outro apropriar-se do meu pensamento, eu deixaria de existir.
Esta é uma das razões por que a ideia da existência de Deus me é difícil de aceitar. Como poderia um Ser que, supostamente, nos criou livres, apropriar-se de nós a cada instante?


publicado por henrique doria às 22:45
link do post | comentar | ver comentários (9) | favorito
|

Domingo, 20 de Novembro de 2005
PIETER BRUEGEL, O VELHO
v-bruegel.jpg


publicado por henrique doria às 19:55
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|

OUTONO
Talvez nunca a ternura fosse tanta
Como entre os montes amadurecidos
E quando as casas se elevam
Entre o ouro e o fumo da tarde.
Silêncio que parece vir do lento
Passado,
Vozes que se dão em resignada melancolia
E tomam a forma dos frutos
Vinho e sombra que apagam o mar
Nas árvores
Onde não tardará o abandono
Memória do que somos.
Repousam sobre a noite os grous
Enquanto as cidades crescem à nossa volta
Contra o sul vencido.
Vento, ramo e sombra que caem
Sobre as janelas ardentes:
Lá onde a púrpura se reclina
Sobre a água e a beleza
A verdade começa a surgir da espuma.

HENRIQUE DÓRIA- Escadas de Incêndio


publicado por henrique doria às 18:33
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

Sábado, 19 de Novembro de 2005
OS DEMÓNIOS DA FRANÇA
Durante séculos, a Europa, tendo nos países da linha da frente a França, andou a invocar os seus demónios.Pensava que os demónios dormiam. Mas, como resultado que era da civilização judaico-cristã, deveria saber que os demónios não dormem. E eles aí estão. A destruir hospitais, creches, casas, montras, automóveis – pessoas.
Durante séculos aquilo que a França e outros países europeus procuraram em África foram as matérias primas. Do resto, dos Homens, só os procuraram enquanto instrumento para explorarem as matérias primas. Os que não serviam ou não eram necessários como instrumentos eram deixados no seu primitivismo tribal.
Mas a História não pára, mesmo para as tribos africanas. E a aspiração ao bem-estar e à felicidade ( que nunca existiu para o Homem no estado tribal, ao contrário do que muitos afirmam) levou a que, em vagas sucessivas, invadissem desesperadamente a Europa.
A França tem-nos utilizado como mão de obra barata, acantonando-os em guetos. Mas, como nas lâmpadas dos contos árabes, os demónios um dia saltam e espalham a destruição.
É o preço que a Europa, em particular a França, está a pagar pela miséria em que a exploração colonial deixou os africanos, à margem do desenvolvimento económico, à margem da instrução, em estado tribal.
São as tribos africanas que milenarmente se destruíam, a destruírem agora os europeus que os exploraram. Como demónios.


publicado por henrique doria às 17:02
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Domingo, 13 de Novembro de 2005
LEMBRANÇA DO AZUL
Há muito que o havia perdido
por isso as palavras que ficaram
dentro do seu quarto
eram agora capitéis decepados
que todos gostavam de escarnecer.
Só as suas mãos de criança
recordavam
com alegria o azul ausente,
mãos mais frágeis que o rumor das coisas
frente ao vento,
mãos habituadas à noite
e à nostalgia
que só o branco sabe iluminar.

HENRIQUE DÓRIA-Escadas de Incêndio


publicado por henrique doria às 23:08
link do post | comentar | ver comentários (14) | favorito
|

O BOM POVO PORTUGUÊS
Eduardo Prado Coelho acaba de escrever no Público um notável artigo sobre o carácter da generaldidade dos portugueses, artigo esse que o meu querido amigo Rui Mendes fez o favor de me enviar. Trata-se de um artigo notável porque notavelmente lúcido, que enfrenta a verdade e despresa o politicamente correcto.
Já escrevi no Odisseus que a classe política não é grande espiga,
mas o país é muito pior.O rei D. Carlos falava disto como A Choldra, e tinha
razão. Não que ele fosse grande rei, mas o país era bem mais pequeno do
que ele, como muito bem percebeu Raul Brandão nas suas Memórias.
É bom que haja alguém com a coragem de o dizer. E, já que o povo gosta tanto de ser roubado, como o provou nas recentes eleições autárquicas, talvez também goste de ser insultado - ou, melhor, ser chamado pelo que é.


publicado por henrique doria às 22:34
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|

Terça-feira, 1 de Novembro de 2005
MA VIE
Tu t´en vas sans moi, ma vie,
Tu roules,
Et moi j´attends encore de faire un pas.
Tu portes allieurs la bataille,
Tu me désertes ainsi,
Je ne t´ai jamais suivie.

Je ne vois pas claire dans tes offres,
Le petit peu que je veux, jamais tu ne l´apportes.
A cause de ce manque, j´aspire à tant,
A tant de choses, à presque l´infinit...
A cause de ce peu qui manque, que jamais tu n´apportes.

HENRI MICHAUX


publicado por henrique doria às 22:20
link do post | comentar | ver comentários (11) | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Junho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

12
13
15
16

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

CORREM EM MIM TRÊS RIOS

EM MEMÓRIA E LOUVOR DE AL...

OLHO PARA MIM

FRAGMENTO

VIESTE AVE DE FOGO

NADA É ETERNO

VEM

O AMOR

CANTA CORAÇÃO CANTA

MULHER -LEITO PEQUENO

arquivos

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Abril 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

blogs SAPO
subscrever feeds