blog filosófico, cultural e político
Sábado, 29 de Abril de 2006
O 25 DE ABRIL

NA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

Por quase todo o país, e ressalvando o caso de violação das  regras do Estado Democrático praticada na Madeira por essa vergonha da democracia  portuguesa que é Alberto João Jardim, as comemorações do 25 de Abril tiverem, este ano, uma adesão popular que há muito não se via.

No fundo, a generalidade dos cidadãos portugueses sente que uma grande parte das promessas do 25 de Abril não está a ser cumprida, e, pior do que isso, muitas das conquistas do 25 de Abril têm vindo a perder-se.

Quando olhamos para o país, perguntamos com apreensão:

Qual será o destino do Serviço Nacional de Saúde, tal como foi concebido por António Arnaut?

Qual será hoje, e no futuro, o significado da promessa de igualdade de oportunidades no acessos ao ensino?

O que significa hoje o direito ao trabalho?

O que significa hoje a expressão “justiça social” inscrita na Constituição e que todos os partidos dizem defender?

De todas estas perguntas fica-nos uma resposta:

Nunca como em 2005, a banca teve lucros tão elevados. E depois do 25 de Abril as desigualdades sociais se agravaram tanto como nos últimos quatro anos.

Por isso, apesar da sua banalidade, foram tão bem escutadas as palavras do Presidente da República sobre a necessidade de se diminuir esse fosso brutal que na sociedade portuguesa separa ricos de pobres.

Mas essas palavras implicavam, necessariamente, uma pergunta?

A quem atribuir a culpa do aumento das desigualdades nos últimos 25 anos? Será que não é legitimo culpar dessas desigualdades o partido que, nesses 25 anos, governou 18 anos Portugal, precisamente o partido do Presidente da República que foi, durante dez desses 18 anos, Primeiro -Ministro?

Ou será que o Professor Cavaco Silva pretende usar na Presidência da República a mesma táctica que tão bons frutos lhe rendeu no governo-ser oposição a si próprio?

                                          NAS RUAS

Uma ausência notória nas comemorações do 25 de Abril foi a dos dirigentes socialistas. Isto sucedeu por todo o país e, particularmente, em Lisboa e no Porto.

Essa ausência não pode ter outro significado que este: os actuais dirigentes socialistas estão cada vez mais distantes do 25 de Abril que foi feito pelo povo, NAS RUAS, em particular por essa maioria da população portuguesa que é a esquerda nacional.

E se os governantes e deputados socialistas aplaudiram na Assembleia da República a saudação aos militares de Abril, porque não estão esses mesmos governantes e deputados a aplaudir na rua esses militares, cuja vitória só foi possível, porquanto o povo desceu à rua.

É lamentável que os governantes, deputados e principais dirigentes socialistas deixem as comemorações do 25 de Abril àqueles para os quais o principal valor de Abril, a liberdade, é um valor problemático:  os comunistas.

É lamentável que esses governantes, deputados e principais responsáveis não compreendem que um partido sem memória é um partido que se perdeu a si próprio.

Mas percebe-se. Estamos em tempos de pragmatismo, de que Sócrates, admirador de Tony Blair, é o principal rosto. E, em tempos de pragmatismo, cada um olha pela sua vidinha!



publicado por henrique doria às 20:29
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|

Terça-feira, 25 de Abril de 2006
ARCIMBOLDO


publicado por henrique doria às 14:20
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|

Domingo, 23 de Abril de 2006
ESCREVER UM LIVRO

Escrever um livro é entregarmo-nos aos outros, com o que isso tem de exaltante e devastador.

É exaltante porque nos permite dizer que existimos, dizer quem somos, partilharmo-nos, às

vezes de tal modo que leitores perspicazes descobrem em nós o que nem nós próprios

conseguimos descobrir.

Exaltante porque satisfaz o nosso desejo de sermos admirados.

Mas também devastador porque permite todas as devassas, todas as distorções, todas

as manipulações.

Devastador porque alimenta a nossa vaidade.

 

HENRIQUE DÓRIA-Fragmentos



publicado por henrique doria às 13:13
link do post | comentar | ver comentários (11) | favorito
|

Sábado, 15 de Abril de 2006
FIZ MINHA ALIANÇA

Fiz minha aliança

Com o sol e a gazela.

Foram testemunhas

A estrela a pedra e a criança.

 

Pensei: quem com a lua branca

A noite sela

Sabedoria e eternidade alcança.

 

HENRIQUE DÓRIA

 



publicado por henrique doria às 14:23
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
|

Sexta-feira, 14 de Abril de 2006
SOU UM POÇO CHEIO DE LABIRINTOS

Sou um poço cheio de labirintos, com um triângulo e um olho azul turquesa no fundo.

Um dia debrucei-me para encontrar pássaros dentro desse poço. Ia encontrando a morte.

No meio dos altos milhos, salvou-me uma velha senhora de rosto tingido de branco. Salvaram-

me o verde e o branco.

Porque tudo é misterioso por demais, desde então passei a acreditar que só as cores nos

salvam - os restos da luz que nos vai chegando, chegando, chegando...

HENRIQUE DÓRIA - Viagem Para Uma Nebulosa



publicado por henrique doria às 13:05
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Sábado, 1 de Abril de 2006
DESDIZENDO

Todos percebemos que este governo do engenheiro Sócrates está a americanizar a sociedade portuguesa.

O egoísmo desenfreado, o poder absoluto do dinheiro, o abandono à sua sorte dos pobres e dos que sofrem, a violência socialmente instituída, tudo isso são a características da sociedade americana que a administração Bush levou a um grau antes nunca visto.

Infelizmente, vemos Portugal e, de um modo geral, a Europa, caminhar para aí.

Cada vez mais as pessoas tratam de si próprias, seja a que preço for, mesmo que isso implique o espezinhar de quem está a seu lado.

A luta pela sobrevivência que está a afectar cada vez mais as classes médias, torna-se dramática. Assim como é dramático o aumento do número de pobres.

Os governos europeus parecem ignorar que não há uma sociedade socialmente sã sem uma classe média vasta e forte, sem a pobreza estar protegida por uma rede abaixo da qual o Estado tem a obrigação de impedir que caiam os económica e socialmente mais fracos.

Fala-se em Estado mínimo. Mas esses que falam em estado mínimo não aceitam poupar nas despesas de segurança e militares.

Despesas essas que se destinam a criar forças que combatam o crime que o próprio poder engendrou com o empobrecimento e marginalização de camadas cada vez mais vastas da sociedade, com o elevar do egoísmo e do salve-se quem puder a um bem social. E que permitam lucros cada vez maiores aos fabricantes e negociantes de armas.

Curiosamente, os defensores deste egoísmo social justificam cada vez mais as suas teses com a concorrência económica que a China e a Índia fazem ao ocidente.

Segundo as suas teses, essa concorrência obriga a que os direitos dos que trabalham por conta de outrem sejam cada vez mais diminuídos, quer através duma diminuição dos salários, quer através da precarização do mercado do trabalho. Isto é, a sociedade tem de se nivelar ( para os que estão sujeitos ao nivelamento) por baixo.

Era precisamente com base nesta ideia  que os países ocidentais criticavam os países do chamado bloco comunista: os chamados países comunistas  nivelavam a sociedade por baixo.

E tinham toda a razão nessa crítica, para além de criticarem, também com toda a razão, a ausência de liberdade.

Mas é isso que estão a praticar as sociedades ocidentais. O vigor das classes médias, que torna as sociedades saudáveis, está cada vez mais a diminuir. As sociedades ocidentais estão a nivelar-se cada vez mais por baixo quanto aos que não estão no topo. O topo não conta, porque esse está acima de qualquer nível de comparação.

O poder do dinheiro é cada vez maior, num cada vez menor número de pessoas. E cada vez menor, num cada vez maior número de pessoas.

É isso que estamos a ver na sociedade portuguesa. Apesar da dramática crise que está a afectar o país, os bancos cresceram os seus lucros de modo nunca antes visto.

Isto é, a finança está cada vez mais a crescer à custa da economia real. Sabemos que há bancos que têm comportamentos verdadeiramente delinquentes, induzindo as pessoas o consumirem muitas vezes o que não precisam, comprando produtos a preços muito superiores aos justos, através de um crédito bancário que, em caso de mora no pagamento, lhes exige juros que se aproximam dos 40%.

Se um particular emprestasse dinheiro a 10% cometeria o crime de usura. Como são os bancos a cobrarem esses 40%, eles estão apenas a cumprir a lei.

Não duvidamos que assim é. O que lamentamos é que essa lei não seja mudada, e que os bancos possam cobrar juros, sobretudo aos socialmente mais frágeis, a taxas tão elevadas.



publicado por henrique doria às 21:38
link do post | comentar | ver comentários (11) | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Junho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

12
13
15
16

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

CORREM EM MIM TRÊS RIOS

EM MEMÓRIA E LOUVOR DE AL...

OLHO PARA MIM

FRAGMENTO

VIESTE AVE DE FOGO

NADA É ETERNO

VEM

O AMOR

CANTA CORAÇÃO CANTA

MULHER -LEITO PEQUENO

arquivos

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Abril 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

blogs SAPO
subscrever feeds