blog filosófico, cultural e político
Domingo, 24 de Setembro de 2006
Olhos Fechados - ODILON REDON


publicado por henrique doria às 22:44
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

OUTONO

Talvez nunca a ternura fosse tanta

como entre os montes amadurecidos

e quando as casas se elevam

entre o ouro e o fumo da tarde.

 

Silêncio que parece vir do lento

passado,

vozes que se dão

em resignada melancolia

e tomam a forma dos frutos,

vinho e sombra que apagam o mar

nas árvores

onde não tardará o abandono

memória do que somos.

 

Repousam sobre a noite os grous

enquanto as cidades crescem à nossa volta

contra o sul vencido.

 

Vento, ramo e sombra que caem

sobre as janelas ardentes:

lá onde a púrpura se reclina

sobre a água e a beleza

a verdade começa a surgir da espuma.

 

HENRIQUE DÓRIA-Escadas de Incêndio

 



publicado por henrique doria às 21:51
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|

Domingo, 17 de Setembro de 2006
A BELEZA É A VERDADE, A VERDADE É A BELEZA

As canções que ouvimos são suaves, mas ainda mais suaves

são as que não escutamos;

...

A beleza é a verdade, a verdade é a beleza. Isto é tudo

o que sabes e o que precisas de saber na terra.

 

KEATS- A Uma Urna Grega



publicado por henrique doria às 11:48
link do post | comentar | ver comentários (11) | favorito
|

Sexta-feira, 8 de Setembro de 2006
PAÍS SEM JUSTIÇA

               

Parafraseando Sofia de Mello Breyner, a primeira das virtudes de uma nação é a Justiça. Ora, se olharmos para Portugal, vemos uma nação sem a virtude da Justiça.

Não pretendemos fazer aqui um diagnóstico da Justiça no nosso país. Este jornal não seria suficiente. Pretendemos apenas identificar muito sinteticamente as causas do estado da (in) Justiça em Portugal.

A primeira delas é o frenesim legislador do Governo.

Cada Ministro preocupa-se, antes de mais, em colocar o seu nome em leis que, pensa ele, iram salvar a Justiça, porque os que estiveram antes no lugar não tiveram a sua clarividência legisladora.

E é assim que, em vez de se fazerem cumprir as leis que existem, os ministros da Justiça se preocupam em fazer novas leis, piores ainda que as anteriores.

Exemplos disso foram o Código de Processo Penal de Laborinho Lúcio, que instalou o caos na justiça penal, e, mais recentemente, a reforma da Acção Executiva da autoria da dupla António Costa/Celeste Cardona, que instalou o caos nas execuções, isto é, no fazer cumprir o direito.

A fúria legisladora do actual ministro também não augura nada de bom.

A segunda causa do caos na Justiça é a ausência de sanções pelo incumprimento dos prazos por parte de magistrados e funcionários judiciais.

Se os prazos  para estes operadores da Justiça são curtos ( e em alguns casos são) que se alarguem.

Mas o que não é aceitável é que os advogados tenham sanções pesadíssimas se não cumprirem prazos, e magistrados e funcionários judiciais não terem quaisquer sanções pelos mesmos motivos, quando, frequentemente, o não cumprimento dos prazos pelos magistrados e funcionários é muito mais gravoso para os cidadãos do que o seu não cumprimento pelos advogados.

A terceira causa é a quase nula importância que se dá às decisões precedentes na nossa justiça, ao contrário do que sucede na justiça anglo-saxónica. Não se compreende que a jurisprudência dos tribunais supremos não deva ser seguida obrigatoriamente pelos juízes dos tribunais inferiores, e estes se dediquem a inovar as decisões judiciais tanto como os ministros se dedicam a legislar.

A Justiça perde por isso dois bens supremos: a certeza e a credibilidade. Porque dificilmente se entende que numa secção de um tribunal um juiz decida uma questão de direito num sentido, e na secção ao lado outro juiz decida a mesma questão em sentido oposto.

E perde ainda um terceiro bem, a celeridade. Porque se os magistrados  dos tribunais inferiores se limitassem a aplicar a jurisprudência precedente dos Supremos Tribunais,  já muitos juízes não teriam a tentação de fazer ciência com a vida dos cidadãos. Algo parecido com a tentação dos ministros ao fazerem leis em catadupa. E as suas decisões seriam muito mais simples e rápidas.

É claro que há muitas mais razões deste caos instalado na Justiça,  razões essas que levam a que haja processos com quinze e vinte anos a correr em tribunal, e sentenças por proferir há dez anos.

Quisemos apenas dar as três razões mais evidentes deste caos, que, felizmente, tem raras mas honrosas excepções.

Talvez algum ministro leia este editorial, e medite um pouco na evidência do que aqui vai escrito, para que haja justiça em Portugal.

Porque uma coisa os ministros não ignoram: se houvesse justiça em Portugal, o Produto Interno Bruto cresceria cerca de 10% (dez por cento!). O caos na Justiça leva a que, na ausência de sanções para quem não cumpre, a maioria dos cidadãos e empresas também não cumpra as suas obrigações porque só ganha com isso.

Por exemplo: uma empresa que não pague a outra empresa paga juros de cerca de 9%. E um particular de 4%. Mas, se recorrerem à banca, pagam juros que em alguns casos são superiores a 20%. Então não é melhor financiarem-se através dos fornecedores?

A falta de Justiça não é apenas injusta: torna também o país mais pobre.



publicado por henrique doria às 22:47
link do post | comentar | ver comentários (12) | favorito
|

WILLIAM BLAKE - Deus Julgando Adão


publicado por henrique doria às 22:44
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

Domingo, 3 de Setembro de 2006
PERGUNTAS A UM LADRÃO PERANTE DEUS

Porquê hás-de pedir misericórdia pela vida breve e mísera que levaste?

Se a tiveste, quem te a deu?

Dizem que Ele te criou livre. Mas acaso te foi permitido escolher entre ser ou não ser?

Acaso Aquele que te criou te perguntou se querias nascer num tugúrio de Harlem ou num

palácio em Beverly Hills?

Acaso te foi permitido escolher entre teres um pai violento, bêbado e analfabeto, ou um pai

terno e sábio?

Morreste, aos quinze anos, com um tiro nas costas, quando fugias da polícia por teres roubado

uma carteira para te esqueceres da tua existência através da heroína.

Se Deus te permitisse terias sido marinheiro. Mas só no momento da morte conheceste o mar,

quando sentiste que corrias sobre o Oceano Pacífico, e Ele te lançou num maelstrom que te

sugava vertiginosamente, descendo em círculos cada vez menores até à boca branca que te

engoliria no seu fundo.

Acaso Aquele que diz que te criou e te ama, mas não te permitiu escolheres a tua vida, te

permitiu escolheres a tua morte?

Antes de perdires misericórdia, lembra-te que a cobardia, mesmo perante Deus, é o maior

pecado que qualquer humano pode cometer.

Aqui, o único que deve ser julgado é Ele, e não tu.



publicado por henrique doria às 14:30
link do post | comentar | ver comentários (9) | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

VEM

O AMOR

CANTA CORAÇÃO CANTA

MULHER -LEITO PEQUENO

VOLTA O MUNDO AO CONTRÁRI...

O AMOR

FRAGMENTO

OUVE O TAMBOR DO MAR

FRAGMENTO

FRAGMENTO

arquivos

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Abril 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

blogs SAPO
subscrever feeds