blog filosófico, cultural e político
Sábado, 28 de Outubro de 2006
O CORPO E O ESPÍRITO

   Um dos principais confrontos da Filosofia actual deixou de ser o confronto entre materialismo e idealismo, para ser o confronto entre corpo e espírito.Sem dúvida que é esta, e  não aquela, a questão que mais deve interessar ao homem, porque é a que mais atinge o ser.

Responderam uns, seguindo Platão, que o essencial no homem é o espírito, porque é o espírito que dá humanidade ao homem.

Responderam outros, seguindo Aristóteles, para quem o seu corpo pouca importância tinha, que é o corpo, porque sem o corpo não existe o espírito e, quando acabar o corpo, acabará o espírito.

Platão, homem fascinado pelo seu corpo, não deixaria de pensar que quando o seu corpo degradado pela velhice se tornasse uma caricatura de si próprio, o espírito permaneceria no seu esplendor.

Inclino-me para o lado de Platão, por aquela razão, e por outra ainda mais importante: essas pequenas vaidades que são a arte e o saber, permitem-nos que o espírito permaneça para além da morte.

 

HENRIQUE DÓRIA-Fragmentos



publicado por henrique doria às 14:20
link do post | comentar | ver comentários (13) | favorito
|

Domingo, 15 de Outubro de 2006
CAMINHAMOS SEMPRE NA ORLA-DO-ABISMO

1.

Caminhamos sempre na orla-do-abismo.

Sorte não olharmos

Para os nossos pés-

Quebrar-se-iam logo os anos-luz.

 

2.

Andamos ao vento à urze

Ao fogo-fátuo do passado

À neve da morte-

É o que nos coube em sorte

Neste delírio-alado.

 

3.

Até ao dia em que estrelas-de-chumbo

Descerão as escadas-do-céu

Para beber o mundo.

 

HENRIQUE DÓRIA-Mar de Bronze



publicado por henrique doria às 20:05
link do post | comentar | ver comentários (17) | favorito
|

Sábado, 7 de Outubro de 2006
HÁ VACAS NO MEU DESERTO

Há vacas no meu deserto.Vacas que de longe parecem cobras, vacas pintadas com um pincel, vacas que outrora foram águias e agora se elevam suavemente sobre as suas cores branca e negra com saudades do que eram antes da metamorfose.

É assim o meu deserto: um jardim de vacas.

Elas deambulam entre os cactos sobre areias escaldantes. Outras vagueiam solitárias e sem destino como cowboys tristes. A algumas eu toco, em segredo e à noite, os seus úberos incandescentes.

A estas, que eu tenho, perdi-me nelas para sempre, porque o destino de quem ama as vacas é perder-se no seu deserto verde.

 

HENRIQUE DÓRIA-Viagem Para Uma Nebulosa



publicado por henrique doria às 20:58
link do post | comentar | ver comentários (11) | favorito
|

Domingo, 1 de Outubro de 2006
SEGURANÇA SOCIAL- O DEBATE ESSENCIAL

 O debate sobre a Segurança Social, é, sem dúvida, um debate muito importante para o país. Trata-se de debater o futuro de todos nós, dos nossos filhos e nos nossos netos, em áreas tão essenciais como  a protecção dos cidadãos na saúde, na invalidez e na terceira idade.

A exigência cada vez de cada vez maior despesa com os cuidados de saúde dos cidadãos e o aumento da sua esperança de vida, dois bens muito importantes  de que continuamos a beneficiar, puseram TODOS os sistemas de Segurança Social em crise, e como uma das grandes questões nacionais a ser debatida desde Portugal aos EUA.

O sistema que, entre nós, o PSD e o CDS pretendem adoptar funciona razoavelmente em alguns países, e mesmo bem noutros, como a Suécia, mas, como relembrou o Primeiro Ministro, funcionou muito mal no Chile.

Haverá interesse em  que Portugal o adopte? Entendemos que não.

Desde logo pelos custos de transição do actual sistema para o outro. Estamos num período em que temos de fazer um grande esforço de contenção orçamental, e, todos reconhecem, incluindo o PSD e o CDS, que, de imediato, a adopção do sistema proposto pelos dois partidos iria aumentar a despesa pública. Desde já não deixa de estranhar-se que quem tanto se debate pelo equilíbrio orçamental aceite o aumento da despesa pública.

Dizem o PSD e o CDS que esse aumento é de cerca de 9 mil milhões de euros no período de transição. O governo do PS avança com números entre os 100 e os 135 mil milhões de euros nesse período.

Todos nós acreditaremos mais nos números do governo do PS, até porque estamos habituados a projecções de despesas feitas pelos governos, PS e PSD, mas mais deste último: por exemplo, o Centro Cultural de Belém e a Casa da Música do Porto custaram pelos menos dez vezes mais do que o inicialmente projectado.

Por outro lado, e ao contrário que afirma o PSD, e o PS e o Governo, estranhamente, se esqueceram de lembrar, é que o sistema de capitalização, embora de carácter não obrigatório, já existe entre nós: a cada um de nós é possível ( sempre o foi) ter um seguro de vida e um seguro de saúde numa qualquer seguradora. O que o sistema proposto pelo PSD e pelo CDS faz é tornar obrigatório esse seguro. Portanto, a argumentação destes partidos, baseia-se num pressuposto falso.

Mas todos nós temos a experiência desse tipo de seguros: prometem muito e dão pouco. Prometem complementos de reforma em que os juros do capital investido são de 9 ou10 por cento, mas quando chega o momento de pagar, pagam 3 ou 4 por cento.

E quanto à assistência na doença, todos sabemos como as seguradoras fogem a pagar as cirurgias e a assistência médica em geral.

Mais: se o sistema pode funcionar bem na Suécia, onde o Estado controla muito bem as seguradoras, e elas não fazem do cidadão quase o que querem, como entre nós, em Portugal esse controle é praticamente inexistente, pelo que o sistema proposto pelo PSD e pelo CDS deixaria os cidadãos à disposição do interesse das seguradoras.

Finalmente: os sistemas de capitalização pressupõem uma suspeita sobre a capacidade do Estado em gerir bem os seus recursos.

Mas sabemos agora que a eficiência do Estado em Portugal é superior à da iniciativa privada. E isto não é qualquer empedernido comunista que o diz, é o muito liberal Fórum de Davos.

Argumentam o PSD e o CDS: o actual sistema é insustentável. O que é verdade, mas por uma razão contrária aos seus propósitos: foi o actual sistema que permitiu que quer a protecção à saúde, quer o aumento da esperança de vida tivessem melhorado tanto entre nós.

Claro que a actual situação é insustentável. O Governo promete-nos uma reforma já em Janeiro.

Pensamos que essa reforma deveria ter como pontos essenciais:

Primeiro: uma limitação  do valor das pensões de reforma até ao montante máximo de 8 salários mínimos nacionais, assim se fazendo a distribuição da riqueza.

Segundo: uma ligeira contribuição suplementar das empresas que têm mais lucros com menos mão de obra, como, de certo modo, propõem o Partido Comunista e o Bloco de Esquerda.

Terceiro: uma contenção de despesas com a burocracia do sistema.

Pensamos que, conjugando estas três componentes, sem grandes custos para os cidadãos e para as empresas, mas com benefício para a generalidade dos cidadãos, com maior justiça social, o sistema público de segurança social poderá ser mantido.



publicado por henrique doria às 23:40
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

POBRE AVÓ QUE ORA

SOMOS APENAS ÁGUA

FRAGMENTO

FRAGMENTO

CORREM EM MIM TRÊS RIOS

EM MEMÓRIA E LOUVOR DE AL...

OLHO PARA MIM

FRAGMENTO

VIESTE AVE DE FOGO

NADA É ETERNO

arquivos

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Abril 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

blogs SAPO
subscrever feeds