blog filosófico, cultural e político
Segunda-feira, 27 de Agosto de 2007
MONTSÉGUR


publicado por henrique doria às 00:04
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 26 de Agosto de 2007
VIAGEM AO PAÍS DOS CÁTAROS

                       O Espírito da Viagem

Li há anos, já não me lembro onde, que a civilização ocidental, tal como hoje existe, tem as suas grandes raízes na Civilização Grega e na Civilização Occitana.

Pouco recordava das cruzadas contra os Albigenses, da destruição de uma civilização cristã levada a cabo por outros cristãos. Parece que os cátaros, ou albigenses, pouca importância têm para os homens dos tempos modernos. São como que uma lenda perdida na bruma.

Mas, este ano em que se completam sete séculos sobre a aniquilação da Ordem dos Pobres Cavaleiros de Cristo e do Templo de Jerusalém, mais conhecida por Ordem dos Templários, uma reflexão sobre os templários levou-me a uma reflexão sobre os Cátaros e a sua aniquilação, levada a cabo pelo mesmo poder: a Igreja Católica Romana.

Comecei por compreender a primeira grande interrogação dos Cátaros: como poderia Deus, ser infinitamente bom, ter criado o mal, o sofrimento e a morte?

Vinham, depois, outras grandes interrogações:

E que valor tem a matéria necessariamente destinada à corrupção e à morte?

Onde estará a salvação do Homem?

As respostas dadas pelos cátaros a estas perguntas foram as que decorriam necessariamente do espírito do ano mil, quando a guerra a peste e a fome levavam os homens a voltarem-se para o espírito, para o imaterial, para Deus, como única resposta para a origem e destino do Homem.

Acreditavam os cátaros: Deus, infinitamente bom, criou o espírito, e foi um ente maléfico que envolveu o espírito num manto de matéria para o fazer sofrer e para o perder.

Só liberto da carne o espírito será salvo.

Para os cátaros era blasfemo dizer que Cristo tinha encarnado, porque Deus, o puro e eterno espírito, nunca poderia fundir-se na impura e efémera carne.

O Homem não foi redimido pela cruz e pelo sangue de Cristo. Será redimido pela pureza, pela bondade e pelo amor que são a mensagem de Cristo.

Cristo e os apóstolos baptizavam pelo imposição das mãos e não pela água. E não baptizavam crianças em que o conhecimento e a vontade de servirem a Deus estava ausente.

O casamento para eles nunca poderia ser um sacramento, já que nunca poderia ser sacralizada a criação da matéria corrupta que servia para envolver o espírito.

Comer carne era um pecado, porque implicava a morte de seres semelhantes ao Homem.

Para se dirigir a Deus o Homem não necessita de intermediários.

Ninguém tem de pagar a dízima à Igreja Católica.

Todos devem viver do seu trabalho.

Nada mais hostil para um Igreja Católica que praticava o nicolaismo ( amancebamento e vida sexual desregrada do eclesiásticos, herança pelos filhos dos padres dos bens religiosos) e a simonia ( venda de sacramentos e cargos religiosos) e habituada a viver à custa do trabalho dos servos.

Nada mais hostil a um papado arrogante e cúpido dirigido por Inocêncio III, o nobre Lottario dei Conti, um membro da alta nobreza italiana que ascendera pela intriga ao papado, aos 28 anos de idade(!!!), em tudo o contrário da simplicidade, da tolerância e da bondade dos religiosos cátaros, um papa que se queria imperador dos imperadores, que antes legitimara a cruzada que passara a ferro e fogo a Constantinopla cristã.

E boa oportunidade para os segundos filhos da nobreza do norte de França, como Simão de Montfort, que viram na destruição  do país cátaro a possibilidade de enriquecerem apoderando-se dos seus bens.

Esta conjugação de vontades conduziu à tragédia cátara que teve o seu momento mais célebre na matança de Béziers, em que o bispo Arnaldo Amaury ordenou a quem duvidava do que fazer devido à presença na cidade de católicos:

“Matai-os a todos. No céu, Deus escolherá os seus.”

E em Béziers foram massacradas, naquele dia, vinte mil almas!

Depois de Béziers vem o golpe fatal de Monségur, onde forma queimados vivos 220 perfeitos.

De Montségur só restam as ruínas, mas a atracção que exerce como símbolo de sacrifício, de coragem e de beleza é irresistível. A viagem passaria também a ser irresistível.



publicado por henrique doria às 23:29
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Apocalipse do Beato de Liebana


publicado por henrique doria às 23:26
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Julho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
26
27
28
29

30
31


posts recentes

SOMOS APENAS ÁGUA

FRAGMENTO

FRAGMENTO

CORREM EM MIM TRÊS RIOS

EM MEMÓRIA E LOUVOR DE AL...

OLHO PARA MIM

FRAGMENTO

VIESTE AVE DE FOGO

NADA É ETERNO

VEM

arquivos

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Abril 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

blogs SAPO
subscrever feeds