blog filosófico, cultural e político
Sábado, 29 de Março de 2008
A CIDADE PERFEITA - Auroville

PLANO DA CIDADE



publicado por henrique doria às 21:54
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

A VIAGEM E A CIDADE PERFEITA

A VIAGEM E A CIDADE PERFEITA

DE APOLÓNIO DE TIANA A SRI AUROBINDO

PROPOSTA PARA O PRÓXIMO DECÉNIO

Amargo saber, o que nos dá a viagem!

O mundo, monótono e pequeno, hoje,

Ontem, amanhã, sempre, faz-nos ver a nossa imagem,

Um oásis de horror num deserto de tédio!

 

Talvez e nenhum outro lugar se falasse do homem e da sua vida sobre a terra como nestes versos  altos e profundos de Charles Baudelaire.

Este mundo pequeno e monótono, este mundo imperfeito e de horror, pela presença constante do sofrimento e da morte, convida-nos à Viagem, para  nos superarmos a nós mesmos e  nos transformarmos e à Terra que habitamos num lugar de sabedoria, força e beleza.

Pensava Blaise Pascal, o solitário de Port Royal, que a melhor viagem que podemos efectuar é a que fazemos dentro de nós mesmos.

Porém, o homem é um ser que sofre porque não pode conceber-se a si próprio sem os outros. Daí que a viagem ao encontros dos outros seja essencial para que o homem se erga como homem.

Peregrino é aquele que viaja em busca da iluminação e da revelação, ao encontro do mestre escolhido ou da cidade perfeita. O peregrino caminha com desprendimento em relação ao presente, em busca do fim superior que o move. Com humildade e despojamento: por isso leva o bastão que o apoia e lhe proporciona a possibilidade de se superar a si mesmo, às suas próprias fraquezas, na viajem que realiza. E o capuz, que não só o protege das intempéries, mas lhe lembra permanentemente quão alto é o seu desígnio.

Houve dois homens, dois peregrinos perfeitos, dois seres justos e luminosos que aqui quero dar como guias nesta viagem: Apolónio de Tiana e Sri Aurobindo.

O primeiro assistiu à aurora da era dos peixes, aquele em que se acreditou, como em nenhuma outra antes, na vinda de um Messias, de um Salvador da Humanidade. Cristo aceitou essa condição de Messias. E também Maomé a aceitou, cerca de setecentos anos depois de Cristo.

Apolónio de Tiana chegou a ser considerado, por alguns, como Messias, condição que ele, como ser apenas humano, recusou.

Em vez de se considerar um Messias, como simples peregrino sobre a Terra viajou dentro e fora de si mesmo. Procurou ser um homem em busca da perfeição a partir do seu eu. E procurou também transformar Roma, a cidade das cidades do seu tempo, senão numa cidade perfeita, pelo menos numa cidade onde o viver não fosse um permanente sofrimento.

Sri Aurobindo assistiu ao crepúsculo da era dos peixes, ao fim trágico de todas as crenças em qualquer Salvador da Humanidade que a Segunda Grande Guerra Mundial nos trouxe.

Como Apolónio viajou não só em direcção ao eu perfeito, mas em direcção também à cidade perfeita. E esta, que ele idealizou, começou a ser construída após a sua morte pela sua companheira: chama-se Auroville. Situa-se na Índia, próximo de Pondicherry.



publicado por henrique doria às 21:39
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 22 de Março de 2008
PENA CAPITAL (continuação)

Enquanto eu lia no meu cérebro a palavra mágica Maldoror, todos saíram da sala de audiências, e o oficial de justiça teve de me lembrar - Vá, está tudo terminado.

Está tudo aterminado, repeti para mim mesmo.Maldoror.

Era a hora de voltar para o meu T0, no quinto andar esquerdo, de onde eu só conseguia ver a tristeza de um pequeno pedaço de céu. Estendi-me na cama e aí fiquei imóvel, sentindo-me já semi-morto a olhar o grande dorso branco do tecto.

Comecei então a rememorar o que me aconteceu naquele dia inacreditável.

Na verdade só via a estupidez, a insolência e o absurdo misturadas com o acaso no comportamento dos homens.

Eu nada tinha a ver com aquela discussão que dois tipos já tocados pelo álcool levavam no café, e da qual eu não recordo uma única palavra apesar de ter ocorrido na mesa ao lado da minha. Mas aqueles que pareciam amigos elevaram, subitamente, o já alto tom de voz e, consequência fatal, um deles pegou na caneca de cerveja e atirou-a em direcção à cara do outro. Este desviou-se, e a caneca foi embater-me no sítio onde os lábios se juntam, rasgando-me a carne. Levantei-me e dirigi-me para o desconhecido que me tinha atirado a caneca. Ele, porém, não esperou por mim. Ergue-se da cadeira e preparava-se para me socar quando eu lhe dei um pontapé nos tomates que o deixou prostrado. Mas não por muito tempo, pois, quando eu virava as costas para sair do café, ele veio atrás de mim, lançou as garras precisamente no sítio onde embatera o vidro grosso, e rasgou ainda mais as feridas, transformando-as em duas outras bocas que se elevavam para os meus olhos num esgar sangrento.

Ao meu lado estava uma pequena oliveira que só quem trabalhava no café sabia - mas eu também sabia - ser de plástico. Para dar mais verdade à oliveira, ela estava plantada num monte de terra cercado por pedras brutas de diversos tamanhos. Instintivamente, peguei numa dessas pedras e bati com ela na cabeça do agressor, concentrando no braço toda a minha raiva. O embate da pedra na cabeça foi de tal modo violento que o desconhecido caíu de imediato, ficando com as pernas flectidas e as mãos sobre os joelhos, como um cão adormecido. Na sua cabeça abrira-se uma outra boca aterradora, por onde saía um pedaço de cérebro como uma língua.

E o sangue escorria viscoso e suave dessa boca, a conduzir-me para o inferno.

 

 



publicado por henrique doria às 23:00
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

Sexta-feira, 21 de Março de 2008
A INCERTEZA DO POETA- Chirico


publicado por henrique doria às 21:35
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

POEMAS PREFERIDOS-Alguns

HERBERTO HELDER- Do Mundo

 

Beleza ou ciência:uma nova maneira súbita

-os frutos unidos à sua árvore,

precipícios,

as mãos embriagadas.

E os animais aprofundam-se, encurvam-se os dias,

as pêras brilham,

o teu vestido é grande se te olho devagar.

O teu corpo transmite-se ao vestido.

Penso na glória do teu corpo.

E inclina-se a luz até os dias caírem dentro dos dias invisíveis.

A terra move-se sobre os lados, ensinas-me

o que não saberei nunca:

a água ronda.

Dentro de uma zona aberta com muita força:

música,

o exercício de uma palavra maior que as outras todas,

e a minha idade - ciência tão mortal onde és

absoluta.

 

PAUL CELAN- A Rosa de Ninguém

 

QUIMICAMENTE

 

Silêncio fundido como ouro, em

mãos

carbonizadas.

Grande, cinzenta,

forma-irmã

próxima como tudo o que se perdeu:

 

Todos os nomes, todos aqueles

nomes queimados

juntamente. Tanta

cinza por abençoar.Tanta

terra ganha

sobre

os leves, tão leves

anéis

da alma.

 

Grande.Cinzenta. Sem

escórias.

 

Tu, outrora.

Tu com a flor

pálida, mordida.

Tu na torrente de vinho.

 

(Não é verdade que também a nós

nos despediu este relógio?

Bom,

bom, como a tua palavra passando por aqui morreu.)

 

Silêncio, fundido como ouro, em

mãos carbonizadas,

carbonizadas.

Dedos, finos como fumo.Como coroas, coroas de ar

ao redor--

 

Grande.Cinzenta.Sem

rasto.

Ré-

gia.

 

 

SANDRO PENA-No Brando Rumor da Vida

 

As portas do mundo não sabem

que lá fora a chuva as procura.

As procura.As procura. Paciente

afasta-se, regressa. A luz

não sabe que há chuva. A chuva

não sabe que há luz. As portas,

as portas do mundo estão fechadas:

fechadas para a chuva,

fechadas para a luz.

 

IANIS RITSOS-Grades

 

O INSACIÁVEL

 

Insaciável a dar - algumas vezes, até, coisas

que não lhe pertenciam, - como aquela montanha, por exemplo,

cor de malva no crepúsculo, com árvores de esmeralda, gravada

em vapores doirados; ou a sombra da andorinha nas espigas,

ou a forquilha caída, à noite, frente à cancela do jardim,

ou cabelos da bela mulher no acto de dizer "não".

Quanto ás suas coisa - quais suas coisas?- - não ficava com nenhuma:

Mantinha-se do quanto dava. E quando, alguma vez,

já nada tinha, cerrava os olhos, esperando

inventar algo maior do que ele próprio, e dá-lo

Precisamente então, sentia que era aquele.

 

ANNA AKHMATOVA- Mistérios do Ofício

 

ÚLTIMO POEMA

 

Um, como trovão alarmado por alguém,

Com a respiração da vida irrompe na casa,

Ri-se, vibra perto da garganta,

E redemoinha, e aplaude.

 

Outro, nascendo no silêncio da meia-noite,

Não sei de onde vem furtivo até mim,

Olha do espelho vazio

E murmura algo severamente.

 

Também alguns são assim: em pleno dia,

Quase como que sem me ver,

Fluem do papel sem nada,

Como fonte pura no barranco.

 

E eis mais: o misterioso anda por aí -

Não é um som nem uma cor, não é uma cor nem um som,

Talha-se, muda-se, entrelaça-se,

Mas às mãos vivo não se entrega.

 

Mas este!... gota a gota bebeu o sangue

como na juventude uma rapariga má - o amor,

E, não me tendo dito uma única palavra,

De novo tornou o slêncio.

 

E não soube nunca de desastre mais cruel.

Foi-se, e dele alongaram-se as pégadas

Até uma extrema extremidade,

Se sem ele...eu morro.

 

EMILY DICKINSON

 

Há uma solidão do espaço

E do mar há solidão

Solidão da morte, mas

Alegres parecerão

Comparadas à mais funda

E polar intimidade

De uma alma diante de si própria -

A Finita Infinitude.

 

CAMILO PESSANHA- Clepsidra

 

INSCRIÇÃO

 

Eu vi a luz em um país perdido.

A minha alma é lânguida e inerme.

Oh! quem pudesse deslizar sem ruído!

No chão sumir-se, como faz um verme...

 

 



publicado por henrique doria às 19:54
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

MAGRITTE - A Vitória


publicado por henrique doria às 19:39
link do post | comentar | favorito
|

ESCADAS DE INCÊNDIO

Ali ao lado do seu quarto

eu podia ouvir os seus sonhos

mesmo os mais silenciosos

sonhos diferentes de tudo quanto imaginava.

 

Umas vezes beijava

a boca de um cântaro

e o sabor da argila entrava

pela noite dentro.

 

Outras abria deslumbrado uma porta

junto ao mar

para onde davam as escadas de incêndio.

 

Outras ainda surgia devagar

com a lua em crescente

cortando-lhe a garganta

e fazendo correr um leve fio de sangue

em tudo que era estranho

nesta simplicidade.

 

HNERIQUE DÓRIA- Escadas de Incêndio



publicado por henrique doria às 18:55
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 16 de Março de 2008
San Sebastian, A Concha e o mar, do Monte Igueldo


publicado por henrique doria às 19:53
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

VIAGEM AO PAÍS DOS CÁTAROS

DE BURGOS A SAN SEBASTIAN/ DONOSTIA

Depois de Burgos, no caminho nosso para o País dos Cátaros, o destino é San Sebastian. Deixamos as margens de Castela, que é muito mais um grande cão magro estendido ao sol do que o leão de pé da bandeira castelhana. É triste esta paisagem de terras ressequidas de onde os velhos visigodos partiram à conquista do mundo lavrando os velhos e novos oceanos, passando a espada os povos cuja diferença se recusavam a compreender e, sobretudo, a aceitar. Triste pela cor sempre castanha de terra sem nada e pela ausência de montes que nos sirvam de guia. Os breves serros são apenas a espinha desse cão dormindo a sesta eterna. Impressionam-nos mais do que nos metem medo, mesmo quando passamos por um desfiladeiro perigoso.

Aqui compreendem-se bem os versos do sevilhano António Machado:

“ Castilla miserable, ayer dominadora,

Envuelta en sus andrajos desprecia cuanto ignora.

Espera, duerme o sueña? La sangre derramada

Recuerda, cuando tuvo la fiebre de la espada?”

A viagem é rápida porque, até Vitória, pouco há que preencha o nosso olhar a não ser aquela secura repetida.

De Vitória recordo o cinzento das casas e das ruas, e o nevoeiro cheio de fumo daquela viagem dos meus quinze anos. Não é  nesta cidade que da auto-estrada nos surge incaracterística, no portão de entrada no País Basco, que quero parar.

Se não começássemos a ver os montes verdes da terra basca, os nomes escritos nas placas da auto-estrada ali estão para nos dizer que estamos já noutro país. O castelhano deixa de ser a linguagem absoluta e partilha o espaço com o basco. Vitória/Gasteiz lê-se em todas as placas. O movimento nacionalista basco ostenta aí uma vitória, a da aceitação da língua basca, a mais antiga língua da Península Ibérica, remontando talvez a seis mil anos. É uma língua misteriosa de um povo tão antigo como misterioso e valente. Uma língua tão misteriosa que se assemelha ao japonês! A língua de um povo misterioso que não se sabe de onde veio para ocupar o extremo norte da Península Ibérica.

Os bascos sobreviveram ao Império Romano, sobreviveram aos visigodos, derrotaram estrondosamente o exército de Carlos Magno no desfiladeiro de Roncesvales, foram os grandes pilotos que guiaram portugueses e castelhanos  no desbravar dos oceanos. Hoje, continuam uma luta, tantas vezes cruel, pela sua identidade, sobrevivendo à assimilação castelhana.

Esse povo valente e único tem a nossa admiração.

Mas passamos ao lado de Vitória, porque o nosso destino é a bela San Sebastian/Donostia, a praça forte do movimento  nacionalista basco, para o qual os portugueses são objecto de admiração, a jóia do País Basco.

Chegamos a San Sebastian/Donostia ao cair da tarde, e um feliz engano da agência de viagens levou-nos para um hotel diferente do que nos estava destinado, um hotel que se ergue no alto do Monte Igueldo e de onde a cidade e concha de San Sebastian, vigiada pela Ilha de Santa Clara, nos deslumbram com a sua beleza única. Poucos lugares há em que os três elementos, a terra, a água e o ar se tenham reunido em tão grande harmonia para que possamos dizer: é aqui que desejamos viver. Do hotel, a nossa vista é dominada pela concha suave e pelo velho oceano. E pelos barcos que se recolhem para o lugar de repouso, para o ventre tranquilo da grande mãe.

À noite, a festa das luzes da cidade vista do Monte Igueldo embebeda-nos mais do que o alvoroço espanhol das ruas estreitas e muito antigas. Em San Sebastian, o melhor  para se visitar não são os monumentos, nem os museus, embora os tenha, e belos, como a elegante catedral. O melhor para ver é a cidade, as suas casas e as suas ruas tão cheias de encanto quanto de vida e de juventude, e a terra e o mar que a envolvem.

Ficaríamos aqui por longos anos. Mas espera-nos o nosso destino: o País dos Cátaros



publicado por henrique doria às 19:48
link do post | comentar | favorito
|

A CHUVA NOS ESPELHOS


publicado por henrique doria às 14:46
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Junho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

12
13
15
16

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

CORREM EM MIM TRÊS RIOS

EM MEMÓRIA E LOUVOR DE AL...

OLHO PARA MIM

FRAGMENTO

VIESTE AVE DE FOGO

NADA É ETERNO

VEM

O AMOR

CANTA CORAÇÃO CANTA

MULHER -LEITO PEQUENO

arquivos

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Abril 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

blogs SAPO
subscrever feeds