blog filosófico, cultural e político
Sexta-feira, 30 de Maio de 2008
EM NÓS COMO UM ESPELHO

Em nós como um espelho

olhamos às vezes certos mortos

onde admiramos a única

nudez da nossa vida:

um tempo cheio de mortes sucessivas.

E sem saber se por terrível ironia

ou humana compaixão

vestimos então nossas máscaras diárias.

É na interminável solidão,

na ambígua intimidade de nós mesmos

que elas nos concedem

que descobrimos o lento tecido

da nossa própria morte em outros começada.

 

HENRIQUE DÓRIA-Círculo da Terra

 



publicado por henrique doria às 22:25
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|

Domingo, 25 de Maio de 2008
MÁSCARAS

 

Acredito que somos várias pessoas numa só e, por isso, usamos máscaras.Porque as máscaras são o modo como conservamos a unidade na pluralidade do nosso ser.
 
 
 
Sem as máscaras que nos permitem a unidade não conseguiríamos manter-nos lúcidos.
 
HNERIQUE DÓRIA-Fragmentos


publicado por henrique doria às 11:22
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|

Sábado, 24 de Maio de 2008
APÓS GOYA

Traçado está há muito o teu

destino-

chegaste pelo encontro de dois corpos

terrestres

partirás pelo encontro de dois corpos

celestes.

 

O teu nome escreve-se com

 

e - no fim- nem as aves

te virão

debicar

 

para teres qualquer

-utilidade.

 

 



publicado por henrique doria às 12:54
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Sexta-feira, 23 de Maio de 2008
PENA CAPITAL



publicado por henrique doria às 22:50
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Sábado, 17 de Maio de 2008
PENA CAPITAL ( continuação)

 

E, agora, eis-me  dentro do inferno. Um inferno em forma de maelstrom aspirando-me para o seu fundo.
No dia combinado, fui ao escritório da minha defensora para me informar das suas alegações. Assim, pensava ela, eu ficaria tranquilizado.
O escritório da advogada era uma pequena sala com uma secretária, três cadeiras para os clientes, e uma estante ao lado direito da cadeira onde se sentava a advogada. Na estante havia sobretudo livros de poesia, romances e obras filosóficas. Eu já a vira ler As Formigas, de Boris Vian, no átrio do tribunal, enquanto esperava pelo meu julgamento. E confirmou-se o meu receio. Pode ser inteligente, esta advogada, mas não será, de certeza, grande advogada. Poesia, filosofia e romance são incompatíveis com a advocacia.
Mas não foi isso que me preocupou. Preocupou-me sim o quadro enorme de madeira, com duas peças desniveladas, pintado de um amarelo mortífero
Sobre o amarelo mortífero, estava desenhada, a negro, uma Alice de pescoço enorme e fino que chegava ao cimo do quadro, uma Alice sem cabeça e com os pés pequenos encerrada num labirinto.
Fiquei logo a tremer porque pressenti o pior.
Vendo o meu desespero, a advogada que a Justiça tivera a caridade de me nomear tentou acalmar-me.
-O senhor foi vítima de uma sucessão lamentável de enganos e azares. A pena de morte há muito que está abolida. A Constituição da República proíbe-a. Mas o procurador entende que devia ser posta em vigor novamente. E, como ele e o juiz são amigos, e o juiz é muito influenciado pelo procurador, engendraram ambos um modo de o condenar à morte. Foi assim: por um lamentável erro, no seu bilhete de identidade está escrito que o senhor nasceu em 30 de Junho de 1867, e não em trinta de Junho de 1967. Foi por aqui que o procurador pegou. A lei que aboliu a pena de morte data de 1 de Julho de 1867, é o Acto Adicional iii. Como, no seu bilhete de identidade, o senhor nasceu a 30 de Junho de 1867, o juiz decidiu o seu caso estava sujeito às leis afonsinas, que obrigavam a que no processo penal se aplicasse no tempo a lei mais dura para o réu – a lei que deixou de existir no dia seguinte ao que constava no bilhete de identidade como o do seu nascimento.
O senhor matou – logo, foi-lhe aplicada a pena de morte.


publicado por henrique doria às 23:53
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

Domingo, 11 de Maio de 2008
NO FUNDO DA BOCA

No fundo da boca transbordante

a

   solidão.



publicado por henrique doria às 23:01
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

DENTRO DO ESPELHO

Dentro do espelho

ex

plode o coração



publicado por henrique doria às 23:00
link do post | comentar | favorito
|

FELIZES AS NUVENS

Felizes as nuvens  que não recordam

nem esquecem

e por isso não padecem

do mal que as nossas mãos de espuma

tecem.

 



publicado por henrique doria às 22:53
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Sábado, 3 de Maio de 2008
PROPOSTA PARA O PRÓXIMO DECÉNIO

Com o século XXI entrámos na Era do Aquário, que é o décimo primeiro signo do Zodíaco, aproximando-se o sol do fim de uma viagem através das constelações. Se a Era de Peixes é um tempo de inconsistência, um tempo em que o homem se encontra voltado para o seu mundo interior na fronteira entre o bem e o mal, se esta Era terminou com a catástrofe purificadora da segunda grande guerra mundial, a Era de Aquário é a era da fraternidade, da solidariedade, do desprendimento dos bens materiais, da comunidade espiritual universal. É simbolizada por um velho sábio, por um Mestre Perfeito que leva consigo uma ou duas ânforas cheias, que derramam a água etérea da sabedoria para que toda a Terra dela possa beber.

Os Mestres Perfeitos que nos deverão guiar através desta Era são, para mim, Apolónio de Tiana e Sri Aurobindo.

A sabedoria de ambos ditou-me a proposta que aqui faço para que o Homem comece a cumprir com êxito a sua viagem pela Era do Aquário.

O homem actual deveria sentir vergonha de si próprio porque, apesar da riqueza criada pela civilização, apesar de a ciência e a técnica  permitirem tornar a vida num hino à alegria,  fazendo da morte uma suave viagem, o homem continua um ser antes do Homem.

Para superar este estádio pré-humano do Homem, é essencial que se lancem, já no próximo decénio, as fundações da Cidade Perfeita.

Como Auroville nos mostra, a nossa viagem para a terrena Cidade Perfeita só poderá fazer-se desde que em volta  de cada um de nós haja um Anel de Paz, e que em volta de toda a Terra se construa um Anel de Paz.

A construção do Anel de Paz deverá ser a tarefa mais urgente, porque a mais importante, da humanidade.

Temos já um sector desse círculo: a Organização das Nações Unidas.

É urgente, como o demonstram os últimos cinco anos, que esse sector circular se amplie até se transformar num círculo.

A Organização das Nações Unidas deverá transformar-se num governo sobre toda a Cidade da Terra. Um governo que, não afastando os governos das nações, construa com estes a unidade na diversidade da espécie humana.

Para isso, a ONU deverá ser dotada dos três poderes que constituem as traves mestras das sociedades modernas: o legislativo, o executivo e o judicial. E ainda um outro poder, o moderador, simbolizando a unidade das nações: um Presidente.

Para que o poder moderador funcione com uma legitimidade universal, o Presidente deverá também ser eleito por sufrágio universal.

Entendo que a Presidência das Nações Unidas deverá ficar sedeada em Portugal.

Por uma questão de justiça histórica, pois foi Portugal quem deu novos mundos ao mundo. Porque Portugal está a meio dos dois grandes mundos que são a Ásia e a América. Porque Portugal é um grande país pequeno que soube, como nenhum outro, integrar a diversidade dos homens na  sua unidade.

Porque Portugal contém em si o gérmen da Cidade Perfeita, como bem intuíram o Padre António Vieira, Fernando Pessoa e, junto de nós, Agostinho da Silva.

O poder legislativo deveria ser legitimado também através do sufrágio universal, com um sistema eleitoral que permitisse a todos os países estarem representados, e que o sufrágio universal  não fosse a legitimação do domínio das maiorias sobre as minorias.

Tal equilíbrio poderia efectuar-se através da eleição de um representante na Assembleia Geral por cada Estado. E constituindo-se círculos eleitorais em que os países mais populosos deveriam ter a sua representação limitada, de modo a que um só país não pudesse dominar a Assembleia Geral.

Tal como sucede actualmente, o poder legislativo deveria continuar sedeado nos Estados Unidos da América.

O poder executivo, com funções equilibradamente restritas, deveria ficar sedeado na  Índia.

O poder judicial, quer de carácter civil, quer de carácter penal, restrito às questões globais quer civis quer penais, a definir concretamente, deveria situar-se na África do Sul, fazendo assim a justa homenagem a um dos grandes homens do nosso tempo, Nelson Mandela.

Uma força militar ao serviço do poder executivo, comandada pelo Presidente, e controlada pelos poderes legislativo e judicial, manteria a paz universal, intervindo apenas em situações de violação grave e reiterada dos direitos humanos.

A força armada seria, assim, a guardiã da Paz.

Estes princípios deveriam plasmar-se numa Magna Carta da  Cidade Terrena, a ser aprovada por todas as nações e todos os homens.

Seria este, em breve e imperfeito esboço, o plano da Cidade Perfeita que  os Mestres Perfeitos que foram Apolónio de Tiana e Sri Aurobindo nos indicaram na sua luminosa viagem sobre a Terra.



publicado por henrique doria às 22:17
link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito
|

...


publicado por henrique doria às 22:10
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

POBRE AVÓ QUE ORA

SOMOS APENAS ÁGUA

FRAGMENTO

FRAGMENTO

CORREM EM MIM TRÊS RIOS

EM MEMÓRIA E LOUVOR DE AL...

OLHO PARA MIM

FRAGMENTO

VIESTE AVE DE FOGO

NADA É ETERNO

arquivos

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Abril 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

blogs SAPO
subscrever feeds