blog filosófico, cultural e político
Domingo, 27 de Fevereiro de 2011
UM CADÁVER PERDIDO, OU OS MALEFÍCIOS DO LIBERALISMO

 

A recente história da D. Augusta Martinho, a senhora que morreu abandonada num apartamento da Rinchoa, e cujo cadáver ficou encerrado, durante nove anos, até que o fisco, que perdoa aos fortes mas não esquece os fracos, sem sequer os mortos, lhe vendeu o apartamento, nove anos após a morte, essa história tem servido de desavergonhado e cínico pretexto para os liberais da nossa praça atacarem o que ainda resta do decepado Estado Social.

Um dos exemplos desse ataque foi a crónica publicada no Expresso de 19 de Fevereiro por uma das lumináriasdo nosso provincianismo liberal  que dá pelo nome de Henrique Raposo. Diz o Dr. Rapaso na sua crónica:

"... o Estado moderno tem um demónio na cave ...tem o poder para demonizar uma sociedade até ao ponto de destruir a vida de bairro e os laços de vizinhança e de civilidade, essas armas pré-políticas de um país."

O discurso do Dr. Raposo é o de um incendiário que se arvorou em bombeiro.

Haverá alguém minimamente decente e com dois dedos de cabeça que não perceba que o caso da D. Augusta é o resultado da destruição dos laços de sociabilidade e civilidade pela prática e o pensamento liberais e capitalistas?

Não garantia o supremo guia do pensamento liberal que foi Adam Smith, que se cada um tratasse apenas de si próprio, a mão invisível do egotismo iria conduzir as sociedades a um bem estar geral?

O princípio de cada um por si não é o primeiro mandamento da bíblia liberal, contra o "demónio" do pensamento socialista que só concebe o eu conjuntamente com o outro?

Não é o capitalismo selvagem dos dias de hoje, que vai dos ostensivos vigaristas como Madoff e os nossos Oliveira e Costa e seus amigos, ao cínico Alexandre Soares dos Santos (que é, juntamente com Belmiro de Azevedo, a principal causa do estado da nossa economia através do aniquilamento que praticam do tecido protutivo nacional) o resultado evidente do pensamento e da prática liberais?

Deixará esse capitalismo selvagem, causa e consequência do liberalismo económico e social, algum espaço para a criação de laços de sociabilidade e solidariedade? Não é a palavra solidariedade uma palavra maldita para o pensamento liberal, que prefere a caridade como palavra chave das relações sociais?

Aos empregados do cínico Soares dos Santos que ganham o salária mínimo nacional, estão sujeitos a contratos a prazo de seis meses, e têm de trabalhar num segundo emprego até às 12 horas de trabalho diário para poderem sobreviver, que dão a chave de casa aos filhos ainda crianças porque à hora de saírem da escola pública os pais ainda estão a trabalhar, a esses é-lhes deixado pelo liberalismo económico algum espaço para os laços de sociabilidade, para os "laços de vizinhança e civilidade", no dizer do Dr. Raposo?

Não sabemos nós que estas cidades-monstros-de-solidão criadas pelo capitalismo selvagem do pensamento liberal, esta economia que transforma o homem em simples peça de uma monstruosa máquina de fazer cada vez mais dinheiro para os cada vez mais poderosos, retiraram aos homens o corpo e a alma que lhes permitiam criar laços de sociabilidade e civilidade?

E que, apesar de tudo, o Estado é o único instrumento que têm os homens (não cidadãos, porque tal não lhes é permitido) aos quais o liberal-capitalismo retirou o corpo e a alma, para lhes conceder algum apoio quando essa máquina monstruosa de fabricar dinheiro, que Dr. Raposo defende, deles se desfaz como dum farrapo velho?

Como podemos não nos indignar quando vemos os liberais Dr.s Raposo, incendiários dos laços de humanidade e sociablidade, transformarem-se em bombeiros?



publicado por henrique doria às 10:36
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 12 de Fevereiro de 2011
LIBERTAÇÃO

 

 

 

A grande nação egípcia acaba de conquistar para si e para um mundo um novo tempo de esperança.

Nesta libertação que vai triunfando, nem tudo o que parece, é. E isso é o maior motivo de esperança para o mundo nos próximos tempos.

O povo egípcio, na realidade, não estava só na sua revolta. Pelo contrário, tinha um aliado poderoso: a América.

Porquê então esta aliança que parece tão súbita e tão contra a estabilidade que a América tanto persegue?

A América percebeu, finalmente, que há duas realidades com as quais não pode continuar a contemporizar, sobretudo porque o seu tesouro se está a exaurir em despesas de guerra: não pode continuar a suportar a arrogância israelita, nem pode continuar a suportar a sua consequência direta, a hostilidade das opiniões públicas do mundo muçulmano.

A arrogância israelita deriva não só do enorme peso que o lóbi judaico tem na política interna e externa americana, mas, sobretudo, da cintura protetora que têm feito a Israel os governos dos principais países árabes que com Israel têm fronteiras, a começar pelo mais poderoso, o Egipto. Israel conseguiu ir comprando, ao longo dos anos, os corruptos regimes de Mubarak e da monarquia jordana. Era sobretudo a certeza de que dali não viria perigo que dava a Israel a arrogância e o sentimento de impunidade que nem a recente derrota no Líbano conseguiram travar. Daí a criminosa continuação da política de colonatos, e a intransigência negocial com uma Fatah incapaz de se libertar da tutela israelita.

Essa arrogância tinha como contrapartida a humilhação do mundo árabe, e esta, como consequência, as guerras que a América está a travar no Iraque e no Afeganistão, das quais sairá inevitavelmente derrotada. Mas que, para além da derrota anunciada, estão a provocar um enorme impasse na economia americana, cada vez menos competitiva com as economias emergentes, em particular a chinesa.

A América compreendeu que teria de se libertar da arrogância de Israel,e libertar-se da política de suporte de regimes árabes corruptos que lhe trazia um descrédito total perante a opinião pública árabe.

O primeiro e grande passo para essa libertação está dado. O Egipto (como a Tunísia) libertou-se de um regime colaboracionsta e corrupto, e tudo indica que se irá instalar nessa grande nação uma democracia que certamente não estará muito longe da democracia na América, pelo menos quanto a liberdade de expressão e liberdade de escolha política.

Isto é: Obama vai querer demonstrar que a democracia é possível nos países árabes, e vai querer surgir como o seu principal apoiante ( e, nisso, o que parece, é). Vai querer, enfim, que o Egipto passe a ser um bom exemplo e não um motivo de humilhação para o mundo árabe.

Vai querer também que se rompa o cinto de impunidade que tem suportado a arrogância de Israel, obrigando assim a que seja alcançada uma paz duradoura e sem grande humilhação para os árabes.

E tudo isso são sinais de esperança para todo o mundo nos tempos que correm.



publicado por henrique doria às 22:36
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Abril 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

CANTA CORAÇÃO CANTA

MULHER -LEITO PEQUENO

VOLTA O MUNDO AO CONTRÁRI...

O AMOR

FRAGMENTO

OUVE O TAMBOR DO MAR

FRAGMENTO

FRAGMENTO

NO BRILHO TRIUNFANTE

FRAGMENTO

arquivos

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Abril 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

blogs SAPO
subscrever feeds