blog filosófico, cultural e político
Sexta-feira, 25 de Abril de 2014
A MORTE DE CORIOLANO-continuação

Tudo é misterioso de verdade.Lavras no campo fértil do erro.Eu nunca fui eu mas a lenda de outro distorcida pelo bronze côncavo da memória. O meu próprio nome é o nevoeiro da lenda. Gneo, o impetuoso vindo do fundo da terra, ou Gaio o alegre e aéreo passageiro do céu?

 Nunca fui o chefe aristocrata desprezando os bens terrenos,  hostil à intriga e à mentira, mas o plebeu estrangeiro, o líder democrata para quem o ouro  era a recompensa não só merecida como desejada,  para quem todos os meios eram justos para alcançar o vinho do poder. Nunca fui aquele para quem a reserva ou o silêncio eram um instrumento de dominação,  mas aquele outro para quem  a palavra e o fascínio que ela exercia sobre as multidões eram a segunda vertigem do sexo. 

Ah! A bajulação!  Como os homens gostam de ser bajulados. Diz a um cobarde que é herói,  a um medíocre que é grande poeta, e terás tudo deles.

E eu queria ser tudo-  num momento hierofante, noutro heraldo, noutro daduco. Talvez eu quisesse mesmo ser a sibila e ter nos meus lábios o mistério da vida e da morte.

De verdade, não sei quem sou.

Do pai só recordo os pés enormes e verdes sobre o ataúde onde o colocaram quando morreu. E os seus gritos de prazer ao ser montado pela mãe,  enquanto dois escravos se masturbavam à porta do dormitório. 



publicado por henrique doria às 23:44
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Sexta-feira, 18 de Abril de 2014
A MORTE DE CORIOLANO

A paz chegou por fim à tua alma inquieta e sedenta Coriolano. A morte que sempre despresaste, porque não era para ti mais do que uma escrava,  é agora a tua senhora desejada. Vais, por fim, esquecer o orgulho,  o sangue e a espada. Que o teu nome seja apagado para sempre da boca dos homens, romanos ou volscos.Estás cansado do teu proprio nome, Coriolano.  Não foi o ódio que te cansou, mas o amor, esse amor inicial e único que começou quando estavas dentro do corpo da tua mãe,  quando tu não eras ainda tu mas apenas uma extensão da sua carne e do seu sangue.Dorme Coriolano, dorme. A mãe matou o seu filho muito amado quando matou o orgulho que era o teu único companheiro, a tua árvore e a tua sombra.Ficaste só diante de ti mesmo.Foi decepada a tua mão direita, essa que te ligava à mão da mãe. E, agora, no interior côncavo do polido bronze do teu escudo já não vês o teu rosto, mas o rosto solitário da morte.



publicado por henrique doria às 09:27
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 6 de Abril de 2014
HAR-MEGEDON

 O Juízo Final será antes o julgamento do Criador pelas suas criaturas.

Aqueles a quem dado o verbo como sopro de confusão,  hão-de julgar o próprio Verbo.

Então,  miríades e miríades de homens, tantos como o pó da terra, hão-de correr pelas planícies e escalar os contrafortes de Har-Megedon, ao assalto da fortaleza onde se senta o Todo Poderoso.



publicado por henrique doria às 09:15
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Dezembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


posts recentes

DESTINADOS À TERRA

CHINESICE

FRAGMENTO

FRAGMENTO

POBRE AVÓ QUE ORA

SOMOS APENAS ÁGUA

FRAGMENTO

FRAGMENTO

CORREM EM MIM TRÊS RIOS

EM MEMÓRIA E LOUVOR DE AL...

arquivos

Dezembro 2017

Outubro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Abril 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

blogs SAPO
subscrever feeds