blog filosófico, cultural e político
Quarta-feira, 3 de Outubro de 2007
GRANDES MUDANÇAS

A vitória  de Luís Filipe Meneses nas eleições para líder do PSD pode ter constituído uma surpresa para muitos que viam no apoio das grandes figuras deste partido a Marques Mendes, a começar por Cavaco Silva, a garantia de que Mendes iria ganhar. Mas, depois dos episódios da retirada de apoio a Valentim Loureiro, Isaltino Morais, e, sobretudo, Carmona Rodrigues, com os desastrosos resultados eleitorais conhecidos para o PSD, a liderança de Mendes estava ferida de morte.

O PSD é um partido de poder, e os militantes do PSD perceberam que os pruridos morais que Mendes exibiu eram um enorme obstáculo a que o PSD regressasse depressa ao poder.

As medidas de saneamento moral levadas a cabo por Marques Mendes seriam benéficas para o país que necessita de honestidade e de rigor na governação, indispensáveis para a política e os políticos, vistos pela generalidade dos portugueses como aldrabões e todos iguais, e, a longo prazo benéficas para o PSD que poderia, em futuras eleições legislativas, invocar o grande feito de ter contribuído decisivamente para a moralização da vida política portuguesa.

Mas se isso foi compreendido pelas elites não o foi pelas bases do PSD, e estas deram a vitória a Meneses, que já tinha demonstrado não ter esses pruridos morais, por palavras e actos, a começar pela célebre estória das viagens de avião quando Meneses era deputado.

Meneses ganhou. No entanto não irá ser fácil a sua liderança - embora também não seja fácil retira-lhe o poder ora conquistado. A oposição persistente que dirigiu à liderança de Mendes irá agora ter a resposta firme das gentes do PSD de Lisboa.

Meneses poderá escolher uma de duas vias: ou negociar com os barões lisboetas e integrar-se no esquema de interesses ligados à macrocefalia da capital, ou persistir nas suas propostas descentralizadores e afrontar esses interesses.

Estamos em crer que Meneses irá escolher a segunda via, e persistirá na defesa do atenuar da macrocefalia lisboeta e da repartição do poder por todo o país como proposta essencial do PSD para o desenvolvimento nacional.

Desde logo porque, para quem sempre defendeu a regionalização, se tornaria um enorme factor de descrédito passar a opor-se à regionalização a partir do momento em que atingiu a liderança do PSD. E esse factor de descrédito poderia  vir revelar-se um obstáculo decisivo para as ambições de Meneses de fazer regressar novamente o PSD ao poder.

Por outro lado, Meneses bem sabe que a sua base essencial de apoio, dentro e fora do PSD, está no Norte, e marginalizar essa base de apoio poderia significar perder o que tem, e não ganhar o que não tem, que é o apoio dos barões e bases lisboetas.

Sem querer arvorar-nos em conselheiros de ninguém, pensamos que a primeira proposta que poderia colocar Meneses como vencedor, face a um Mendes com imagem de perdedor, seria o antecipar-se ao PS e propor a realização de um novo referendo sobre a regionalização.

Mas  com uma versão diferente da proposta do PS, que seria criação das cinco regiões tradicionais mais as regiões metropolitanas de Lisboa e do Porto, defendidas por muitos dentro do próprio Partido Socialista, diferindo assim da proposta de criação de apenas 5 regiões que é a da direcção socialista.

Essa seria uma grande mudança na estratégia de desenvolvimento nacional que acompanharia a grande mudança no PSD que foi a vitória de Luís Felipe Meneses.



publicado por henrique doria às 22:58
link do post | comentar | favorito
|

1 comentário:
De Antonio Felizes a 4 de Outubro de 2007 às 02:38
Concordo com esta sua análise.

Quando puder dê uma espreitadela no

Regionalização

http://regioes.blogspot.com

Cumprimentos,


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
20
21

22
23
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

CHINESICE

FRAGMENTO

FRAGMENTO

POBRE AVÓ QUE ORA

SOMOS APENAS ÁGUA

FRAGMENTO

FRAGMENTO

CORREM EM MIM TRÊS RIOS

EM MEMÓRIA E LOUVOR DE AL...

OLHO PARA MIM

arquivos

Outubro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Outubro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Abril 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

blogs SAPO
subscrever feeds